Menu
quinta, 28 de outubro de 2021
Acredito em São Carlos

Cientista política luta por um Brasil inclusivo, desenvolvido e ético

Tabata Amaral de Pontes faz lançamento do movimento suprapartidário no Palquinho do Caaso

25 Jun 2018 - 15h11Por Marcos Escrivani
Tabata: “Política pode ser feita no dia a dia, quando a comunidade se une para fazer a transformação” - Crédito: DivulgaçãoTabata: “Política pode ser feita no dia a dia, quando a comunidade se une para fazer a transformação” - Crédito: Divulgação

Lutar por um Brasil inclusivo, desenvolvido e ético, com políticos que realmente sejam honestos e busquem um país justo e digno para toda a população. Independentemente de partido político.

Com este objetivo a cientista política formada pela Harvard University e ativista pela educação, co-fundadora do Projeto VOA!, do Movimento Mapa Educação e colunista da Revista Glamour, Tabata Amaral de Pontes, 24 anos, realiza nesta segunda-feira, 25, das 19h às 21h, no Palquinho do Caaso, campus 1 da USP (Avenida Trabalhador São-carlense, 400), o lançamento do movimento suprapartidário Acredito.

Tabata é natural de São Paulo. Nasceu na Vila Missionária, um bairro no extremo sul da capital e se interessou pela política. Nesta segunda-feira, ela pretende apresentar alguns planos que tem para a região.

ENTREVISTA

Tabata concedeu entrevista ao São Carlos Agora nesta segunda-feira e falou sobre sua visita:

São Carlos Agora - Ainda jovem, porque se interessou em política?

Tabata Amaral - Ao longo da minha trajetória, a cada dificuldade que fui enfrentando e a cada oportunidade que fui tendo, pude ver um mundo que era muito maior do que eu, com mais possibilidades, oportunidades e sonhos maiores. E tudo isso deixou bem claro para mim que, ainda hoje em nosso país, o lugar em que você nasce, a cor da sua pele e se você é homem ou mulher dizem muito sobre o tamanho do seu sonho e até onde você pode chegar. Com cada uma dessas descobertas fui me interessando cada vez mais por educação pública: fui trabalhar como professora, minha pesquisa na faculdade foi com educação, meus trabalhos com movimentos sociais são nessa área. Além disso, quando terminei a faculdade, ficou muito claro que se eu realmente quisesse mudar as coisas e não apenas me salvar, eu tinha que voltar para o Brasil e continuar lutando por isso. Porém, com cada uma das tentativas, eu fui me frustrando de certa forma por causa da política. Quando trabalhei na Secretaria de Educação, no setor privado ou em ONGs. Sempre encontrei a barreira da política: era uma pessoa que estava ali indicada politicamente ou uma pessoa que por uma opção política mudava todos os planos com a troca do mandato, por exemplo. Isso mexeu demais comigo. Eu deixei de ver a política como algo que eu queria evitar, porque sempre atrapalhava os meus esforços, para algo que eu deveria ajudar e contribuir.

SCA - O que levou você a criar o Acredito?

Tabata - Mesmo tendo aprendido muito cedo sobre o tamanho da nossa desigualdade e sobre a necessidade de a gente transformar a política e, principalmente transformar a educação, eu não tinha coragem de fazer isso sozinha. Porque eu sei que se você entra para a política sozinha é muito difícil de você fazer algo. Então, o Acredito é a união de várias pessoas que estavam incomodadas, que estavam indignadas, que queriam transformar isso em ação, mas sabiam da importância de não fazer sozinhos. Da importância de a gente estar em um grupo, de transpor barreiras e, ao mesmo tempo, continuar com valores que pra gente são tão importantes, como a democracia, como a ética, entre outras coisas. Então, o Acredito é a junção de muitas pessoas que querem transformar as suas indignações em ação política, querem virar a página da polarização e entendem que sozinhos não vale a pena, não faz sentido, não tem impacto. 

SCA - Quais são seus princípios fundamentais?

Tabata - O nosso principal sonho é o Brasil: que ele seja inclusivo, desenvolvido e ético. E para gente isso acontece quando temos igualdade de oportunidades. Quando a gente elimina os privilégios que existem e garantimos que as pessoas saiam do mesmo ponto de partida, com uma educação de qualidade para todos, com uma economia aonde você pode empreender livremente, entre outras coisas. Isso é um resumo do que acreditamos, mas quem quiser saber mais sobre os nossos princípios e os nossos valores, pode acessar a página do Acredito (movimentoacredito.com). 

SCA - Por ser um movimento suprapartidário, como agregar políticos a esta iniciativa?

Tabata - Hoje, para participar da política formal, a lei exige que você seja filiado a um partido. Então, após conversas com pessoas que entendem a necessidade da renovação e concordam que esse modelo que a gente vive já não faz sentido, conseguimos fazer parcerias com cinco partidos. O compromisso de todos foi receber membros do Movimento de maneira independente, principalmente em termos de agenda. Por acreditarmos no suprapartidarismo, temos filiados no PSB, PDT, PV, PPS e Rede.

SCA - Como ter ciência que estes cidadãos são imbuídos de honestidade e idoneidade?

Tabata - Nós nunca teremos certeza de que as pessoas que estão no Movimento são honestas e corretas. No entanto, o que podemos fazer é criar mecanismos para que as pessoas tenham os incentivos corretos para seguir os nossos valores e sejam punidas quando isso não acontece. O Movimento tem o Conselho de Ética, que recebe denúncias de maneira sigilosa. Além disso, os membros do movimento que se candidatarem esse ano estão comprometidos com uma agenda que a gente defende, independente em qual partido estejam. Ou seja, temos o compromisso que um membro não vá contra essa agenda e contra esses valores, seja no ativismo ou no mandato. E se for contra, será expulso. Também acho que a maior salvaguarda é ser parte de um Movimento de muitas pessoas, que é democrático, que é aberto, onde as pessoas podem fazer denúncias livremente e cobrar uma resposta. A força do grupo são o controle social e os mecanismos que já implementamos, essas são as nossas maiores armas contra qualquer tipo de desonestidade.

SCA - Sendo um movimento onde as ideias estão acima dos partidos, como mudar a política?

Tabata - Acreditamos que a forma de mudar a política é tanto por fora quanto por dentro. Por isso, trabalhamos levando formação política para as escolas, conscientizando as pessoas sobre a importância do voto, falando o que faz um vereador, um deputado, qual é o nosso papel nisso tudo como cidadão. Mas também tentando furar as barreiras financeiras e partidárias, tentando entrar para a política formal. Sabemos que a política atual funciona com uma lógica muito antiga. As pessoas estão apáticas, estão descentes, mas é necessário furar essa barreiras dos dois lados.

SCA - Quais as inspirações do movimento?

Tabata - Olhamos muito para o que aconteceu nos EUA, na campanha do Obama, em 2008, para o que aconteceu na França com o Macron, mas também com o que acontece em algumas cidades aqui no Brasil. Nós precisamos trocar mais experiências. E o que une essas experiências todas para a gente são a política conectada com a sociedade, o controle social, são os pequenos grupos que se juntam em núcleos, fazem demanda e fazem política no dia a dia. Não dependendo apenas de você ter um mandato ou ser de um partido para fazer acontecer.

SCA - Futuramente pode se constituir em um partido e lançar candidatos?

Tabata - Hoje não é possível afirmar isso, se vamos nos transformar em um partido, pois nós acreditamos que há partidos demais no nosso sistema. Então defendemos uma reforma política que diminua o número de partidos, como, por exemplo, com a cláusula de barreira progressiva, do voto distrital misto, entre outras coisas. Sobre lançar candidaturas, a gente incentiva sim que membros do Movimento saiam candidatos ainda esse ano e tentem furar essa barreira. A gente, como Movimento, não pode lançar candidatos, mas a gente pode incentivar que os membros participem da política formal também.

SCA - Em São Carlos, o que especificamente o Acredito espera?

Tabata - Vale a pena conferir o evento de hoje a noite, pois vamos apresentar alguns planos que temos pra região. Mas, sem dar spoiler, o que une esses planos é isso: política que pode ser feita no dia a dia, quando a comunidade se une para fazer a transformação.

SCA - Considerações finais:

Tabata - Primeiramente, agradeço pela oportunidade. Também quero convidar todos a participarem não só do lançamento de hoje, mas das atividades de maneira geral. Para finalizar, reitero e peço para que todos voltem a acreditar na política e entendam que a transformação depende da gente.

Comments system Cackle

Leia Também

Últimas Notícias