Menu
sexta, 27 de novembro de 2020
Cidade

Políticas Públicas para Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais são discutidas em audiência

25 Mai 2009 - 18h19Por Redação São Carlos Agora
Na noite da última sexta-feira (22), no auditório Bento Prado Júnior, no Paço Municipal, foi realizada a Audiência Pública: Política Pública para LGBTs - Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais, ocasião na qual foi realizada uma avaliação após um ano da 1ª Conferência Municipal de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (GLBT) que teve como tema principal os "Direitos Humanos e Políticas Públicas - O caminho para garantir a cidadania GLBT", uma realização da Prefeitura de São Carlos, Comissão dos Direitos Humanos e dos Direitos do Consumidor da Câmara de São Carlos e do Movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros de São Carlos.

Participaram da mesa redonda o vice-prefeito e secretário municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia, Emerson Leal, Rose Mendes, secretária municipal de Cidadania e Assistência Social, Telma Olivieri, Coordenadora de Artes e Cultura, Blaranis Pauletto, coordenadora do Programa Municipal DST/AIDS, Alexandre Sanches, presidente da ONG Visibilidade LGTB e a ex-vereadora Silvana Donatti, autora da Lei 14.417 que instituiu a Conferência e da Lei 14.785 que instituiu o dia 17 de maio como o “Dia Municipal de Luta Contra a Homofobia”, além de representantes de vários segmentos da sociedade que também fizeram parte das discussões.

Rose Mendes lembrou que a Prefeitura já está, desde 2001, na luta contra a violência da mulher, contra a violência de idosos, contra a violência de crianças e adolescentes, contra o racismo, enfim contra todo tipo de violência e discriminação.  “Juntos estamos construindo uma nova proposta de política pública com o movimento LGBT”.

“Estamos construindo um projeto de cidadania no município e, construir cidadania é respeitar as diferenças. Trabalhamos respeitando os direitos de todos, independente de classe social, ideologia, gênero de raça e opção sexual”, ressaltou Emerson Leal.

Alexandre Sanches agradeceu o apoio que o município vem proporcionando ao movimento e aproveitou para fazer novas reivindicações. “Gostaríamos de ter um centro de referência, um centro cultural, para atender a população GLTB, que o município criasse um disque denúncia de combate à homofobia e também de implantar o conselho municipal da diversidade sexual”, solicitou o presidente da ONG.

A Prefeitura vai montar um grupo de trabalho para analisar as reivindicações e verificar o que poderá ser atendido.
comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias