terça, 23 de abril de 2024
Região

Guarda Municipal de Araraquara deve se armar até o início de 2016

09 Abr 2015 - 09h35Por araraquara.com
César Ribas de Oliveira acredita que arma será uma proteção para os agentes (Marcos Leandro/Tribuna Araraquara ) - César Ribas de Oliveira acredita que arma será uma proteção para os agentes (Marcos Leandro/Tribuna Araraquara ) -

A Guarda Municipal de Araraquara estará armada a partir do primeiro semestre de 2016. O sinal verde para o uso de armas de fogo foi dado pela Justiça Estadual, após 28 servidores da corporação entrarem com uma ação solicitando o armamento.

A partir dessa decisão, a Prefeitura deu início à formulação do projeto de lei que muda o Estatuto da Guarda de ‘não armada’ para ‘armada’.

O documento será enviado em até 15 dias para votação na Câmara. “Até que a Guarda seja completamente armada, os agentes vão passar por capacitação, acompanhamento psicológico e aptidão para uso de armas. Com a aprovação, a Prefeitura visa firmar convênios com a Polícia Federal e Polícia Civil para o treinamento dos guardas municipais”, diz o secretário de Segurança, Orlando Nino Mengatti.

Ainda de acordo com o secretário, o treinamento será feito enquanto o armamento dos 90 guardas municipais não chega. O tempo de espera deve variar entre nove e 12 meses.

Armamento

Atualmente, segundo Mengatti, das 993 cidades brasileiras que contam com Guarda Municipal, 84% são armadas, de acordo com dados disponibilizados pelo IBGE 2012.

Aprovada no ano passado, a Lei Federal no 13.022 deu mais poderes para a Guarda Municipal, não se restringindo apenas aos prédios públicos, mas também à fiscalização do Código de Posturas, fiscalização do trânsito e de ambulantes.

“A Guarda tem ainda o decibelímetro, para averiguar o volume do som. Os agentes têm tido cada vez mais atribuições, como perturbação da ordem pública, entre outras. Não é mais voltada apenas para o patrimonial”, explica o secretário de Segurança.

De acordo com o prefeito Marcelo Barbieri, esse não era o momento, mas, com a autorização da Justiça, o projeto de lei já vem sendo feito, para que não ocorra um armamento de forma individual e desorganizado. “Diante desse fato vamos enviar o projeto de lei e armar nossos guardas, dando todo o treinamento necessário. Vamos ainda fazer a mudança no concurso que será aberto em breve para a Guarda”, ressalta.

Choque

Fundada no ano de 2001, a Guarda Municipal recebeu o armamento de choque apenas em 2013, quando 25 armas foram entregues para a Secretaria de Segurança.

Entre as principais características das pistolas estão: mira a laser, alcance de até 10 metros e corte automático da corrente após cinco segundos do momento do disparo, o que dificulta a ocorrência de choques prolongados de forma involuntária.

Na época, os novos equipamentos foram comprados com recursos do Ministério da Justiça, que firmou convênio de R$ 400 mil. Já as armas de fogo, devem ser compradas com recursos próprios. “Desde que foram colocadas em uso, as armas de choque foram usadas apenas cinco vezes. A arma de fogo só será colocada após a capacitação dos guardas”, ressalta Nino.

Segurança

Para César Ribas de Oliveira, guarda municipal há cinco anos, a arma é um equipamento necessário para a proteção dos agentes, porém, é preciso ter equilíbrio para usá-la. “A arma de fogo é importante para nossa segurança, mas hoje a arma de choque é indispensável”, afirma Oliveira.

Para o guarda Fabiano Faustino Kock, a arma deve ser um complemento. “A arma de fogo será usada como um equipamento de proteção, pois sabendo que estamos armados, ninguém irá para cima de um guarda”, finaliza Kock.

Leia Também

Últimas Notícias