Menu
terça, 20 de abril de 2021
Colunistas

QUALIDADE DE VIDA: Acidente Vascular Cerebral (AVC). Previna-se!

25 Out 2017 - 04h42Por (*) Paulo Rogério Gianlorenço
Foto: Divulgação - Foto: Divulgação -

O Acidente Vascular Cerebral, mais conhecido popularmente pela sigla AVC e como derrame, é uma séria condição médica que acontece quando o suprimento de sangue que vai para o cérebro é rompido, isso acontece porque o cérebro para funcionar adequadamente necessita de oxigênio e determinados nutrientes que provêm do sangue, portanto, quando há um rompimento no fluxo sanguíneo, as células do cérebro começam a morrer e uma determinada região de cérebro deixa de ser irrigada por Sangue, ocasionando diversos problemas cerebrais, podendo até chegar à morte.

Por ser uma das doenças que mais matam no mundo, o AVC é uma urgência médica e necessita de tratamento imediato, pois quanto antes diagnosticado o que está acontecendo, menos danos o paciente sofrerá.

No Brasil, o AVC é a principal causa de morte por incapacidade: são mais de 100 mil pessoas que morrem vítimas da doença, estima-se que, em 2030 o número mundial de mortes pode ser de 7,8 milhões.

De acordo com a instituição Albert Einstein, o AVC "deve ser considerado como um ataque cerebral, pois é a causa mais freqüente de morte e incapacidades na população adulta brasileira".

Hipertensão é o maior fator de risco para sofrer um AVC, seguido de fatores ligados ao estilo de vida.

Foram-se os tempos em que a idéia de que acidente vascular cerebral (AVC), só acontecia em pessoas idosas, cada vez mais jovens e adultos sofrem com esse problema, em alguns casos, poderia ser evitado em um bom estilo de vida.

A doença é comum, segundo o Neurologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo Sandro Matas, a cada 5 segundos alguém tem um AVC. "Essa é a segunda causa de morte e a primeira de incapacidade no mundo".

Estima-se que 16 milhões de pessoas no mundo todo são atingidas a cada ano, e dessas, seis milhões morrem. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a adoção de medidas urgentes para a prevenção e tratamento da doença, é importante entender melhor como o corpo reage ao ocorrer o derrame e quais são as conseqüências que essa reação traz ao sistema nervoso.

Divido em dois tipos, o AVC é classificado em isquêmico e hemorrágico: 

ACIDENTE VASCULAR ISQUÊMICO

Ocorre quando há a obstrução brusca de uma ou mais artérias por embolia, ateromas ou trombose, fazendo que uma determinada área do cérebro fique sem circulação sanguínea em um determinado local do cérebro.

Esse tipo é mais comum em idosos, principalmente que tenham diabetes, colesterol alto, hipertensão arterial, problemas vasculares e que fumam. É o mais popular, e atingem 80% das vítimas de acidentes vasculares, nesses casos os sintomas costumam ser de perda repentina da força muscular e da visão, sentir dormência no rosto e membros, dificuldade para falar, tonturas, formigamento em um dos lados do corpo e alteração de memória.

ACIDENTE VASCULAR HEMORRÁGICO

É quando há um sangramento local por causa do rompimento de uma artéria ou vaso sanguíneo por conta da hipertensão arterial, traumatismos, problemas na coagulação no sangue e Aneurismas. 

Menos comum, atinge 20% das vítimas do derrame e acontece também em pessoas mais jovens e a evolução é mais grave, capaz de trazer maiores complicações, as características que podem definir esse ataque são dor de cabeça repentina, aumento da pressão intracraniana, edema cerebral, náuseas e vômitos, déficits neurológicos semelhantes aos provocados pelo tipo isquêmico, sendo o tipo mais grave.

Causas que podem levar a um AVC: Tabaco (Fumar), Hipertensão arterial, Obesidade, Alto nível de colesterol, Histórico familiar de doenças cardíacas ou diabetes, Uso abusivo de bebidas alcoólicas, Doença da artéria coronária, Doença da válvula mitral, Pericardite, Hipertireoidismo, Ingestão de muita cafeína - contida em chás, cafés e energéticos, Não se exercitar, Estresse, Anticoncepcional.

Fatores de risco: Gênero, Raça, Estilo de vida, Idade, Medicamentos e Doenças.

Os casos de AVC são mais comuns em homens do que em mulheres, a não ser que se trate da terceira idade, pois aí o problema acomete mais as mulheres do que os homens supõem-se que isso acontece pelo fato das mulheres viverem mais do que os homens e o AVC ser mais comum em pessoas de mais idade.

DIAGNÓSTICO

Caso suspeite de que você, ou alguém que você conheça, está tendo um AVC, um diagnóstico caseiro pode ser feito no ato para verificar se o caso é o acidente vascular ou não, esse Diagnóstico se chama FAST (do inglês: face (rosto), arms (braços), speech (fala) e time (tempo) e é um teste eficaz, pois nove em cada 10 casos de AVC podem ser identificados apenas com esse teste.

Rosto: Peça à pessoa para sorrir. Um dos lados do rosto está com aspecto "tombado"?

Braços: Peça à pessoa para levantar ambos os braços. Um dos braços insiste em ficar mais baixo ou é incapaz de se levantar?

Fala: Peça à pessoa para dizer uma frase bem simples. Ela está falando de forma estranha ou arrastada?

Tempo: Se observar qualquer um desses sinais, chame imediatamente uma ambulância e fique no aguardo do atendimento médico. Lembre-se: o tempo, nesse caso, é fundamental.

Dentre os exames para se busca o Diagnostico estão: Exame de Sangue, Tomografia Computadorizada, Ressonância Magnética, Ultrassom da Carótida, Angiografia Do Cérebro, e Ecocardiograma.

PREVENÇÃO

Por ser uma condição que afeta boa parte da população, a prevenção deve ser levada a sério, principalmente para pessoas com histórico familiar e que se identificam com as causas apontadas anteriormente. Não há medicamento ou receita milagrosa que te deixe imune a um derrame, mas é possível prevenir o AVC adotando hábitos saudáveis.

Tenha uma alimentação balanceada e saudável. Evite comer comidas gordurosas ou com alta quantidade de sódio. Invista em saladas de verduras e vegetais, e corte refrigerantes e o álcool. 

Pratique exercícios físicos. Encontre uma atividade que te dê prazer, como corrida, natação, musculação ou dança. O ideal é que um médico seja consultado antes de praticar a atividade. 

Evite a gordura abdominal. Tenha um controle do peso para evitar a obesidade e o sobrepeso, que são condições que podem desencadear hipertensão e diabetes, fatores de risco do derrame. 

Mantenha a saúde cardíaca em dia. Doenças cardíacas podem formar coágulos no sangue e levar ao AVC isquêmico. 

Pare de fumar. As substâncias presentes no cigarro, como a nicotina, ajudam a degradar a parede arterial, o que facilita a formação de gordura nos vasos da artéria. 

Vá ao médico regularmente. É sempre bom fazer um check up ao menos uma vez por ano para verificar se está tudo bem com sua saúde e prevenir doenças. Dessa forma, é possível identificar se você é um paciente de risco.

TRATAMENTO

O tratamento e a reabilitação da pessoa vitimada por um AVC dependerá sempre das particularidades que envolvam cada caso. Há recursos terapêuticos que podem auxiliar na restauração das funções afetadas, para que o paciente possa ter uma melhor recuperação e qualidade de vida, é fundamental que ele seja analisado e tratado por uma equipe multidisciplinar de profissionais da saúde, Fisioterapeutas, Médicos, Psicólogos e demais profissionais, as conseqüências são bastante danosas, o AVC é uma das patologias que mais incapacitam para a realização das atividades cotidianas. Conforme a região cerebral atingida, bem como de acordo com a extensão das lesões, o AVC pode oscilar entre dois opostos, os de menor intensidade praticamente não deixam seqüelas, os mais graves podem levar as pessoas à morte ou a um estado de absoluta dependência, sem condições, por vezes, de nem mesmo sair da cama.

Pessoas que, felizmente, sobreviveram a um AVC, precisam de suporte e tratamentos auxiliares em longo prazo. Fisioterapia  para restaurar o movimento perdido; Terapia ocupacional para reaprender a executar tarefas diárias, como as que envolvem higiene pessoal; Fonoaudióloga  para melhorar a capacidade de falar e se comunicar; Psicólogo  para ajudar a lidar com os sentimentos de ansiedade ou depressão.

(*) O autor é graduado em Fisioterapia pela Universidade Paulista - Crefito-3/243875-f Especialista em Fisioterapia Geriátrica pela Universidade de São Carlos e Ortopedia. Dúvidas e Sugestões: paulinhok10@hotmail.com - Facebook- Paulinho Rogério Gianlorenço.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias