Menu
segunda, 19 de abril de 2021
Colunistas

Artigo Antonio Fais: Ceborinha

30 Jan 2018 - 11h42Por (*) Antonio Fais
Foto: Divulgação - Foto: Divulgação -

Há um consenso de que matemáticos tem uma dose a mais de crueldade com os reles mortais. Alguns, para exercer em grau máximo o seu sadismo, tornam-se professores universitários. Quem fez cálculo I, II e III sabe de que falo.

O professor P era um deles. Além de sua fala baixa e problemas de dicção, parecia sofrer de uma espécie de gagueira mental. Como ele ainda trocava o L por R, nós o apelidamos de Ceborinha.

(Para ser justo, o professor P era uma ótima pessoa. Depois que terminei a faculdade, participei de um grupo de estudos com ele. Era muito inteligente e divertido. Mas, assim como Newton, Einstein, Da Vinci, Agatha Christie e outros, P era disléxico. Em outras palavras, vivia em outro planeta. Via coisas que nós, mesmo com muito esforço, nunca veremos).

Mas, aos fatos: veio a primeira prova do professor Ceborinha e todos fomos mal, muito mal. Saímos desolados e combinamos que na próxima aula, dia da entrega das notas, iríamos todos protestar contra o professor. Se necessário faríamos greve e até pedir para ele ser demitido.

E, como combinado, lá estávamos. Ele começou a distribuir as provas e notas: furano, dois e meio; cicrano, quatro; beltrano, zero. E entre dois, zeros, meios, fomos todos.

A maior nota foi do Valtinho, o maior CDF e puxa-saco da escola, tirou quatro e meio.

Ele já tinha distribuído todas as provas quando falou com uma certa naturalidade:

- Tem uma prova aqui que o aruno não pôs nome!

Nós nos entreolhamos, pois todos estavam presentes e com suas respectivas provas (e péssima nota) em mãos. E ele continuou:

- E a prova foi feita a rápis.

- E o aruno foi bem na prova!

Isso aguçou ainda mais nossa curiosidade e espanto.

- Ere teve nota oito!

Diante a perplexidade da classe, o Valtinho se aproximou e pediu licença para ver a prova e concluiu:

- Professor, este é o seu gabarito!

Foto: DivulgaçãoO AUTOR

Antonio Fais, graduado em Ciências da Computação pela Universidade Federal de São Carlos. Na década de 1980, criou e implantou os primeiros cursos de Informática do SENAC-SP. Escritor, graduou-se também em Filosofia, especializando-se em linguagem e aprendizagem. Realiza formações para professores e empresas em comunicação, linguagem, literatura e escrita criativa. 

Esta coluna é uma peça de opinião e não necessariamente reflete a opinião do São Carlos Agora sobre o assunto.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias