Menu
domingo, 17 de novembro de 2019
Qualidade de Vida

Acne (segunda parte)

24 Out 2019 - 07h00Por (*) Paulo Rogério Gianlorenço
Acne (segunda parte) -

Acne é causada por infecção ou inflamação das glândulas sebáceas na base dos pelos. Os poros da pele ficam cheios deste material, formando os chamados cravos,estes podem romper-se, liberando o material de seu interior na pele, gerando as espinhas.

De acordo com os Dermatologistas, as espinhas são uma das manifestações da acne, que leva a formação de lesões de diversos tipos, como cravos abertos e fechados, espinhas e pústulas (espinhas com pus). Toda espinha pode ser considerada acne, mas nem toda acne é espinha, já que os cravos também podem ser incluídos na categoria.

Tipos de acne: Acne Grau I: apenas cravos, sem lesões inflamatórias (espinhas), Acne Grau II: cravos e espinhas pequenas, com pequenas lesões inflamadas e pontos amarelos de pus (pústulas), Acne Grau III: cravos, espinhas pequenas e lesões maiores, mais profundas, dolorosas, avermelhadas e bem inflamadas (cistos), Acne Grau IV: cravos, espinhas pequenas e grandes lesões císticas, múltiplos abscessos interconectados e cicatrizes irregulares resultando em deformidade da área afetada (acne conglobata).

É importante o tratar a acne não apenas por razões estética, mas também para preservar a saúde da pele. Também é importante dizer que o tratamento ajuda a prevenir o aparecimento de cicatrizes de acne.

Existem diferentes tipos de tratamento para a acne, variando entre terapia local, medicação oral, ou combinação das duas. Na hora de decidir o tipo de tratamento é levado em consideração a gravidade, localização e o tipo de metabolismo do indivíduo, além disso, o dermatologista também precisa verificar outros aspectos, como se há cravos, espinhas, nódulos e cicatrizes na pele.

O tratamento tem como objetivos manter a sujeira e o óleo fora dos poros, acelerar a renovação celular reduzindo assim a inflamação e será indicado por um médico dermatologista, que avaliará o grau de sua acne e prescreverá os medicamentos mais indicados, que poderão ser de uso local ou também medicamentos via oral, dependendo da intensidade do quadro.

O ideal é a acne ser tratada o mais precocemente possível. Está ultrapassada a ideia de que não se deve tratá-la por ser considerada da própria da idade, de desaparecimento espontâneo com o tempo ou de não ser doença.

Em alguns casos, a pele pode piorar antes de ficar melhor.

Seu controle é recomendável não só por razões estéticas, como também para preservar a saúde da pele e a saúde psíquica, além de prevenir cicatrizes (marcas da acne) tão difíceis de corrigir na idade adulta. E a melhor forma de evitá-las é começar o tratamento adequado o mais cedo possível, ou seja, a acne tem tratamento e pode ser curada ou controlada, porém, isso pode levar bastante tempo, quem tem acne não deve, em nenhuma hipótese, manipular (“cutucar, espremer”) as lesões, pois isso pode levar à infecção, inflamação e cicatrizes.

Há opções tanto de terapia local, quanto por via oral, ou a combinação de ambas. É necessário verificar se há lesões não inflamatórias (“cravos”) e inflamatórias (“espinhas”, nódulos, cistos) ou cicatrizes. Em formas leves, o tratamento pode ser apenas local, com inúmeros produtos existentes no mercado, isolados ou combinados, quando o quadro não evolui bem o tratamento por via oral é associado, utilizando-se antibióticos específicos, o tratamento com antibiótico oral deve ser feito por, no máximo, três meses, em um ou até três ciclos, o tratamento hormonal, com anticoncepcionais orais, é sempre útil para as mulheres, desde que não existam contraindicações.

Quando não há uma boa resposta aos tratamentos e se percebe uma tendência para cicatrizes ou um importante impacto negativo na qualidade de vida, deve ser indicada, o mais precocemente possível e desde que não existam contraindicações, a isotretinoína oral, mesmo em casos moderados. Contudo, esta droga é absolutamente contraindicada quando há possibilidade de gravidez, pois pode causar danos graves ao feto.

Os efeitos colaterais mais comuns são: ressecamento dos lábios, nariz, olhos, pele do corpo; aumento do colesterol, triglicerídeos e enzimas hepáticas, são necessários exames de sangue antes e durante o tratamento, é extremamente obrigatório afastar gravidez com um teste, aguardar a menstruação para iniciar o tratamento e se assegurar sobre o uso de métodos anticoncepcionais, iniciado um mês antes, mantido durante todo o tratamento e por um período de um mês após a suspensão da droga. Não existem riscos para gestações no futuro.

Procedimentos complementares que ajudam no controle da acne são: extração de “cravos”, drenagem de abscessos, infiltração com corticoides em lesões nodulares muito inflamadas ou em cicatrizes elevadas, peelings químicos, microdermabrasão, alguns tipos de laser, luzes e esfoliações químicas. Orientação para não manipular as lesões e proteção solar são ações coadjuvantes importantes durante o tratamento.

A limpeza de pele, quando bem indicada pelo dermatologista, e bem executada por esteticista treinado, pode ser um ótimo complemento do tratamento de algumas formas de acne. Observação: nunca uma limpeza de pele feita por leigos pode ser considerada forma de tratamento.

A prevenção começa com higiene adequada da pele com um sabonete ou produto de limpeza indicado especialmente para pela acneica ou oleosa. A limpeza excessiva é prejudicial à pele como um todo (causando irritação) e pode piorar as lesões. 

Também se deve evitar cosméticos que aumentem a oleosidade. Acne tem forte componente genético, e não se relaciona diretamente com alimentação, vários tabus, não é necessária nenhuma dieta ou restrição alimentar para seu tratamento ou prevenção, a pele pode melhorar após a exposição ao sol, porém, essa melhora é apenas temporária e a exposição exagerada acarreta piora do quadro, pessoas com acne, como todos, devem se expor ao sol de maneira cuidadosa, racional e orientada.

A acne geralmente não é uma condição médica séria. Mas você pode querer procurar um dermatologista para tratar espinhas persistentes ou cistos inflamados, a fim de evitar cicatrizes ou outros danos à pele.

Se a acne e as cicatrizes estão afetando seus relacionamentos sociais ou autoestima, você também pode querer perguntar a um dermatologista sobre o tratamento das cicatrizes existentes.

Cuidados que ajudam a tratar a acne: Não cutuque ou esprema as espinhas, pois isso pode causar infecções e inflamações, evite tocar a pele com as mãos sujas ou objetos pouco higienizados. Mantenha seu cabelo limpo e longe do rosto, para evitar oleosidade. Use cremes, sabonetes, loções e géis para tratar a acne. Sempre leia atentamente a bula para garantir que você está usando o produto corretamente. Proteja sua pele dos raios solares, uma vez que alguns tratamentos podem reagir quando em contato com o sol.

Tente manter um registro de sua alimentação e observar se há algum tipo de comida que piora a sua acne, não perca as consultas de acompanhamento com seu médico. Mantenha um registro dos tratamentos que você usou, e como eles funcionaram, há muitas alternativas para você e seu médico, então não desista!

Olá caros leitores, por esse tema (Acne) ser vasto achei ainda muito melhor dar mais informações na proxima coluna para um melhor entendimento, desde já muito obrigado.

O autor é graduado em Fisioterapia pela Universidade Paulista Crefito-3/243875-f Especialista em Fisioterapia Geriátrica pela Universidade de São Carlos e Ortopedia.

Esta coluna é uma peça de opinião e não necessariamente reflete a opinião do São Carlos Agora sobre o assunto.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias