sábado, 13 de agosto de 2022
Tecnologia

São Carlos possui um Laboratório Multiusuário de Cristalografia Estrutural de excelência

Prédio está alocado no Instituto de Física da USP e tem destacada atuação em diversas áreas

20 Jun 2022 - 08h55Por Redação
Além de sua atuação em nível acadêmico, LaMuCrEs atuou ao nível de pesquisas aplicadas e colaborações com as indústrias - Crédito: DivulgaçãoAlém de sua atuação em nível acadêmico, LaMuCrEs atuou ao nível de pesquisas aplicadas e colaborações com as indústrias - Crédito: Divulgação

Sob a coordenação do Prof. Eduardo Castellano, que deu continuidade ao trabalho pioneiro iniciado pela Profª Yvonne Primerano Mascarenhas, o LaMuCrEs - Laboratório Multiusuário de Cristalografia Estrutural, alocado no Instituto de Física de São Carlos (USP), desde muito cedo se apresentou como uma das principais infraestruturas dedicadas à área de cristalografia, com uma destacada atuação em diversas áreas, tais como a determinação de estruturas moleculares por difração de raios X e a correlação entre conformação e propriedades fisicoquímicas e biológicas dos compostos estudados. Tudo isso graças à existência de uma série de difratômetros específicos e únicos existentes no hemisfério sul, que a partir do ano 2000 ficaram disponíveis para todos os cientistas que quisessem utilizá-lo.

Além de sua atuação em nível acadêmico, o LaMuCrEs também atuou ao nível de pesquisas aplicadas e colaborações com as indústrias, com inúmeras contribuições de transferência, principalmente nas áreas relacionadas aos estudos de materiais industriais e seu controle de qualidade, desenho e controle de sistemas de detecção, indústrias da área extrativas de minerais regionais e nacionais, indústrias farmacoquímicas e farmacêuticas, e catalizadores para indústria de petróleo, entre outras. Assim, o LaMuCrEs tornou-se uma referência na caracterização do estado sólido, tornando a cidade de São Carlos em um centro de excelência nessa área.

Com o passar dos anos, os equipamentos foram ficando obsoletos, fazendo com que a eficácia e rapidez das pesquisas começassem a ficar comprometidas devido aos inevitáveis avanços da tecnologia. Ao detectar essas dificuldades iniciais, a equipe do LaMuCrEs iniciou, desde há cinco anos a esta parte, um processo de revitalização e modernização de todo o laboratório, que atualmente - e mantendo suas características de multiusuário - volta a ocupar o seu lugar de destaque na área de cristalografia. Em primeiro lugar, a equipe conseguiu ver aprovado um projeto temático - PRONEX - iniciado em 2017, para a aquisição de um equipamento de última geração para difração de raios-x de monocristal - único na América Latina -, que já está devidamente montado e em funcionamento, com os apoios da FAPESP e do CNPq, e que trará uma dinâmica muito grande a toda a atividade do laboratório. “Voltamos a estar agora em condições plenas para que qualquer pesquisador do Brasil ou do exterior possa realizar os seus trabalhos neste laboratório, inclusive enviando as suas amostras para serem analisadas. O novo equipamento vai permitir fazer experimentos com altíssima qualidade e realizar coisas que até agora não conseguíamos fazer, como, por exemplo, executar medidas em função de temperatura ou da pressão, medidas Raman, etc.. Contudo, a principal característica é a qualidade dos dados que esse equipamento pode fornecer, de forma extremamente rápida e precisa. Por exemplo, a análise de uma amostra de um mineral demora apenas dois minutos. Tudo isso permitirá alargar o nosso conjunto de colaborações nacionais e internacionais. Foram anos de trabalho intenso, de esforço”, explica o Prof. Javier Ellena, um dos pesquisadores responsáveis pelo LaMuCrEs.

Em segundo lugar e com o apoio incondicional dos diretores do IFSC/USP, Profs. Vanderlei Bagnato e Osvaldo Novais de Oliveira Junior, o velho laboratório alocado no Instituto foi readequado e redimensionado para suas novas missões, apresentando agora espaços devidamente divididos e organizados em uma área total de 200m2. “Com este novo espaço os pesquisadores poderão, a partir de agora, ter condições adequadas para desenvolverem seus trabalhos. Foram mais de cinco milhões de reais investidos na modernização do LaMuCrEs, não apenas com a aquisição e instalação do novo equipamento, mas também com a contratação da sua manutenção por um período de sete anos”. conclui o pesquisador.

O Comité Gestor do LaMuCrEs é constituído pelos Prof. Yvonne Primerano Mascarenhas, Eduardo Ernesto Castellano, Javier Ellena e Alzir Azevedo Batista. (Rui Sintra - Jornalista do IFSC/USP)

Leia Também

Últimas Notícias