Menu
quinta, 21 de outubro de 2021
Experiências educacionais

Pesquisa da UFSCar busca ampliar práticas de educação positiva entre mães e filhos

Estudo na área da Psicologia convida voluntárias para participar de intervenção remota

21 Set 2021 - 08h19Por Redação
Estudo enfoca educação positiva entre mães e filhos - Crédito: PixabayEstudo enfoca educação positiva entre mães e filhos - Crédito: Pixabay

Uma pesquisa da área da Psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está investigando a viabilidade de uma intervenção remota com mães sobre educação positiva de filhos, a fim de fortalecer o vínculo mãe e filho, além de ampliar o conhecimento e as estratégias para lidar com os comportamentos dos filhos. A intervenção proposta pelo estudo busca promover um espaço para que mães falem sobre suas experiências de educação de suas crianças e proporcionar a possibilidade de desenvolvimento de práticas parentais e educação positiva.
"A educação positiva é uma forma de educar que busca equilíbrio, estabelecendo limites firmes e, ao mesmo tempo, incentivando a liberdade e a autonomia da criança. Seu objetivo é educar com foco no afeto, na compreensão, no respeito e no aprendizado mútuo", explica a responsável pela pesquisa Jessica Giovanna Espinoza Tarazona, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGPsi) da UFSCar.
O trabalho "Intervenção remota com mães e educação positiva dos seus filhos: um estudo de viabilidade" tem orientação da professora Sabrina Mazo D’Affonseca, do Departamento de Psicologia (DPsi), e conta com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). 
Estão sendo convidadas voluntárias para participarem da pesquisa de maneira remota. Para isso, as participantes devem atender os seguintes critérios: 1. Ser mãe com filhos entre 6 a 12 anos de idade; 2. Ter acesso a dispositivos com Internet, como computador, smartphone ou tablet; 3. Ter disponibilidade de participar dos encontros semanais síncronos (ao vivo). Para participar, é preciso preencher o formulário online https://bit.ly/3lshIvT. 
A primeira etapa é uma entrevista individual, online, para que a pesquisadora e voluntária possam se conhecer e falar sobre como será a intervenção. Essa entrevista será agendada, durante o mês de setembro, após preenchimento do formulário disponível em https://bit.ly/3lshIvT. Posteriormente, a intervenção ocorre por meio de encontros semanais online, com duração de cerca de 1 hora cada, durante oito semanas, com início previsto para outubro. É garantido o sigilo de todas as informações. 
Dúvidas podem ser esclarecidas com a pesquisadora Jessica Tarazona pelo e-mail psico.espinoza18@gmail.com ou pelo celular (16) 99755-4505 (também WhatsApp).

Comments system Cackle

Leia Também

Últimas Notícias