Menu
quarta, 14 de abril de 2021
Cidade

Crianças e adultos divertem-se durante uma tarde de muita programação na USP São Carlos

Cerca de 50 pessoas curtiram a Hora do Código no ICMC, fazendo exercícios de programação e assistindo às demonstrações dos robôs

13 Dez 2017 - 09h22Por Denise Casatti
Foto: Denise Casatti - Foto: Denise Casatti -

Na tarde do último sábado, 9, uma cena se repetiu inúmeras vezes: muitas pequenas mãos podiam ser vistas digitando ou apontando para uma das telas dos 60 computadores de dois laboratórios de informática do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. De vez em quando, uma voz clamava pela ajuda de um monitor: "Tio, vem aqui!"

Essas crianças mostraram que programação não é assunto apenas de gente grande ao participarem entusiasmadas do evento Hora do Código. A iniciativa foi criada exatamente para desmistificar a ideia de que programar é difícil e chato, mostrando que qualquer pessoa pode aprender os fundamentos básicos da computação ao realizar atividades simples e divertidas. O movimento global já atingiu 468 milhões de pessoas em mais de 180 países.

Gratuito, o evento começou às 14h30 com as boas-vindas do professor Seiji Isotani, presidente da Comissão de Cultura e Extensão Universitária do ICMC. Logo depois, foi a vez do professor Fernando Osório explicar a relevância da Hora do Código e o quanto é importante estimular a participação das crianças nessas atividades, a fim de aproximá-las das ciências exatas.

A seguir, o público entendeu as relações entre robótica e programação em um bate-papo descontraído com os doutorandos Adam Moreira e Daniel Tozadore, ambos do ICMC. Para isso, eles contaram com a ajuda de uma simpática família de robôs humanoides do Centro de Robótica de São Carlos (CROB). Um desses robôs, carinhosamente apelidado de Dolores, executou ao vivo alguns comandos digitados no computador por Daniel. As crianças vibraram quando Dolores dançou. Com essa demonstração, elas puderam conferir, ao vivo, que o comando para o robô precisa ser dado por um humano por meio de um computador.

Na última etapa do evento, todos foram convidados a ir aos laboratórios do Instituto, que já estavam preparados para que grandes e pequenos participantes realizassem os exercícios de programação e experimentassem, na prática, o que tinham visto na teoria. Vários alunos do ICMC, incluindo membros do grupo de desenvolvimento de jogos Fellowship of the Game, estavam disponíveis no local, atuando como monitores e esclarecendo todas as dúvidas.

Conforme as crianças completavam as atividades propostas, exibiam, orgulhosas, o certificado digital na tela do computador. Para muitas, esse foi o primeiro diploma de muitos que virão. "Precisamos mostrar o quanto esse tipo de iniciativa é importante e levar a ideia para todas as escolas brasileiras. Temos que sensibilizar a sociedade e tornar o ensino de programação uma política pública", ressalta o professor Fernando Osório.

Este ano, mais de 100 mil eventos ao redor do mundo foram cadastrados na plataforma global da Hora do Código, sendo que 253 deles serão no Brasil. A iniciativa sempre acontece durante a Semana da Educação em Ciência da Computação, realizada anualmente em reconhecimento ao aniversário da pioneira da computação, a almirante Grace Murray Hopper, que nasceu em 9 de dezembro de 1906 em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Ela foi uma das primeiras programadoras da história.

Todas as atividades propostas durante o evento estão disponíveis gratuitamente no site da Hora do Código: https://hourofcode.com/br/learn. Basta acessar, fazer os exercícios e garantir seu certificado de programação.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias