Menu
sexta, 20 de abril de 2018
Série A3

Santista busca empate em Barretos e leva a decisão para Santos; Atibaia vence em Capivari e coloca um pé na série A2

16 Abr 2018 - 09h18Por Redação
Santista busca empate em Barretos e leva a decisão para Santos; Atibaia vence em Capivari e coloca um pé na série A2 - Crédito: Divulgação Crédito: Divulgação

As semifinais da Série A3 começaram na noite de sexta-feira, 13, no Estádio Fortaleza, em Barretos, onde o valente time do técnico Paulinho McLaren, recebeu a Portuguesa Santista, melhor equipe do campeonato. No primeiro tempo, o jogo foi equilibrado, com chances de gols para as duas equipes, nos 25 minutos iniciais. Mas o Barretos, com o apoio de sua torcida, começou a encurralar a Portuguesa Santista na defesa. A pressão do Touro se transformou em gol aos 28 minutos, após cruzamento de André Luís em que a bola explodiu na mão de Gustavo Henrique e o árbitro Alessandro Darcie marcou pênalti. O artilheiro Gabriel Barcos, cobrou com estilo do lado esquerdo de Cleyton que foi para o direito e fez 1 a 0. Sem se intimidar, a Portuguesa Santista se lançou ao ataque em busca de empate e criou boas chances, com Anderson Magrão e Carlos Alberto. Porém, quem marcou foi o Barretos, após a marcação de uma penalidade máxima de origem duvidosa. Aos 40 minutos, André Luis, recebeu lançamento na entrada da área e dividiu com o goleiro Cleyton. O senhor Alessandro Darcie, marcou a falta, o que gerou muita revolta dos atletas da Briosa.  Três minutos após a marcação, o artilheiro Gabriel Barcos cobrou novamente, mas agora no canto direito do goleiro que foi bem na bola, porem ela passou sob seu corpo. No segundo tempo, a Portuguesa mostrou o motivo de ter a melhor campanha na Série A-3. Madura, sem tremer com a desvantagem de 2 a 0, a equipe do técnico Sérgio Guedes foi à luta, criou boas chances com Carlos Alberto, Dema e Rômulo. De tanto pressionar, a Briosa descontou após cruzamento rasteiro da esquerda em que a bola passou por todos na pequena área e encontrou no bico direito o lateral Rafael Ferro que de primeira, diminui o prejuízo. Animada, a Portuguesa Santista continuou apostando no ataque. E o Barretos, após a entrada de Zezinho, ganhou velocidade e passou a criar chances nos contragolpes. E o jogo ficou aberto, com boas oportunidades de gols para os dois lados. A situação ficou tensa para a Portuguesa Santista, aos 35 minutos, quando Gustavo Henrique recebeu o segundo amarelo e foi obrigado a se retirar do jogo. Com um jogador a mais, o Barretos teve a chance de matar o jogo com João Henrique, que carimbou a trave aos 37. Porém, três minutos depois, Rômulo cruzou fraco da esquerda e o zagueiro Guilherme Paraíba cortou fraco e a bola sobrou na entrada da pequena área para Rodriguinho, que dominou e bateu no canto esquerdo alto de Willians, que nada pode fazer. Ainda antes do apito final, aos 48 minutos após levantamento na área o Barretos fez o terceiro, com o zagueiro Eder, porem quando cabeceou para o gol de Cleyton, teve seu gol anulado, gerando grande revolta do time local que não aceitava a dessa vez, correta marcação da arbitragem. Com o empate em 2x2, a Portuguesa Santista, do técnico Sérgio Guedes, está a um novo empate de retornar à Série A2, 10 anos após ser rebaixada

FICHA TÉCNICA
Barretos 2 x 2 Portuguesa Santista
Local: Estádio Fortaleza, em Barretos
Árbitro: Alessandro Darcie
Assistentes: Marco Antônio de Andrade Motta Junior e Mauro André de Freitas
Cartões amarelos: Tufa, Gustavo Henrique, Clayton e Rodriguinho
Cartão vermelho: Gustavo Henrique
Gols: Gabriel Barcos, aos 29 e 43 minutos (ambos de pênalti) do primeiro tempo. Rafael Ferro, aos 9; e Rodriguinho, aos 41 minutos do segundo tempo
Barretos:
Willian; Crystian (Gabriel Inocêncio), Eder, Guilherme Paraíba e Alex Barros; Ualefi, Felipe Merlo e Hugo (Zezinho); André Luís, Gabriel Barcos (Batata) e João Henrique
Técnico: Paulinho McLaren
Portuguesa Santista:
Cleyton; Rafael Ferro, Dema, Gustavo Henrique e Rômulo; Diogo Lopes, Tufa, Renan Morales (Laionel) e Carlos Alberto; Anderson Magrão (Rodriguinho) e Diego Palhinha (Carlinhos)
Técnico: Sérgio Guedes

DEU ATIBAIA

Mesmo contra todas as adversidades possíveis e imagináveis, o Atibaia, comandado pelo técnico Betão Alcântara, está muito próximo do acesso à Série A-2. A equipe teve a segunda melhor campanha ao longo da competição, só superada pela Portuguesa Santista, que também está bem cotada para ser finalista, e superou a falta de estádio e torcida, já que a competição inteira jogou na cidade de Indaiatuba. No sábado, 14, na partida de ida das semifinais da Série A-3, mesmo atuando fora de casa, na moderna Arena Capivari, diante do forte Capivariano, do técnico Roberval Davino, o Atibaia simplesmente atropelou o adversário sem fazer a menor cerimônia e ganhou por 3 a 1 com muita tranquilidade e eficiência. Com a vitória fora de casa, o Atibaia, no próximo sábado, 21, às 11h, no Estádio Ítalo Mário Limongi, em Indaiatuba, no duelo de volta, poderá perder por diferença de até dois gols que se classifica para a final e garante o acesso antecipado. Para o Capivariano será necessário vitória por três gol de diferença para dar a volta por cima. Já no jogo, apesar de partir para cima do adversário e tentar pressionar com constantes jogadas ofensivas, o Capivariano parou na forte e eficiente marcação do Atibaia, que tinha inteligência para assustar com toque de bola e velocidade nos contragolpes. E o primeiro tempo terminou sem gols. Os quatro gols saíram no segundo tempo. Logo aos 10 minutos, o oportunista Dudu aproveitou bela enfiada de Maranhão e bateu na saída do goleiro Christofer, para fazer 1 a 0 para o Atibaia. Assustado e saindo de maneira desordenada para o ataque, o Capivariano acusou o golpe e sofreu o segundo gol logo após, aos 17. Paraíba lançou Mascote pela direita, que ganhou de dois adversários, driblou o goleiro e entrou com bola e tudo. Um golaço. A partir daí, o Capivariano se perdeu de vez, mas nem deu tempo de se lamentar. Aos 19 minutos, após cruzamento de Mascote pelo lado direito do ataque, Dudu pegou um sem pulo em que a bola tocou na trave antes de fazer o terceiro do Falcão. A situação do Capivariano só amenizou um pouco aos 38 minutos, quando Alexandre recebeu na área após falha da marcação e chutou forte, cruzado para fazer o gol de honra. . Porém, o resultado deixou o Atibaia com enormes possibilidades de ser o finalista da Série A-3.
FICHA TÉCNICA
Capivariano 1 x 3 Atibaia
Local: Arena Capivari
Árbitro: Marcio Henrique de Góis
Auxiliares: Eduardo Vequi Marciano e Risser Jarussi Corrêa
Cartões amarelos: Welder, Praxedes, Cortez e Junior
Gols: Dudu, aos 9 e 19; Mascote, aos 17; e Alexandre, aos 38 minutos do segundo tempo
Capivariano:
Christofer; Welder, Rodrigo Sabiá, Gutierrez e Praxedes; Rambo (Alexandre), Ademir, Pedro (Erick Mamadeira) e Bruno Sabiá; Bill e Vinicius (Pablo) 
Técnico: Roberval Davino
Atibaia:
Cairo; Nando, Júnior, Danilo e Cortez; Igor, Paraíba, Maranhão e Mascote (Gledson);
Dudu (Felipe) e Tavares (Jackson) 
Técnico: Betão Alcântara

(colaboração: Ednelson Simonetti)

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias