Menu
quinta, 24 de janeiro de 2019
Com muita emoção e carinho

Após 22 anos e com ajuda do SCA, mãe reencontra filha

14 Jan 2019 - 07h52Por Marcos Escrivani
Após 22 anos e com ajuda do SCA, mãe reencontra filha - Crédito: Divulgação Crédito: Divulgação

O que era sonho, agora é uma realidade para Daniela Santos de Paula, 38 anos e Fernanda Destro Silva, 22 anos, mãe de dois filhos. Após 22 anos, mãe e filha se reencontraram neste final de semana, em Cravinhos. Emoção, muitos carinhos e a certeza que a os laços familiares retornaram para ambas. A reaproximação teve a participação do São Carlos Agora que lançou uma matéria na tarde de terça-feira, 8, quando a mãe procurava a filha que poderia estar residindo com os pais adotivos em São Carlos.

Na página do portal foram mais de 1,2 mil compartilhamentos de leitores interessados em ajudar a possível reaproximação. Na fanpage no Facebook, foram 82 comentários e outros 359 compartilhamentos. A união de forças deu resultados e mãe e filha se reencontraram.

Assim, Fernanda disse que ganhou mais uma família. Além dos pais adotivos Adão e Eliana, tem agora a mãe biológica Daniela e mais seis irmãos. Por outro lado, Daniela ganhou mais uma filha e dois netos, Maria Fernanda, de 5 anos e João Guilherme, de 2 anos.

Hoje, Fernanda reside na rua Professor Mozart Santos Melo, no Tijuco Preto e deixou claro que não irá se afastar mais de sua mãe biológica e disse que se sente mais aliviada e tirou um fardo de suas costas. “Estou mais leve, mais feliz. Aliviada”, disse.

UM LONGO CAMINHO

Na manhã de domingo, 13, Fernanda conversou com o São Carlos Agora e disse que foi um longo caminho até rever sua mãe, mas afirmou que teve muito amor e carinho dos pais adotivos e que sempre soube a verdade sobre sua adoção.

“Nasci em São Simão e minha mãe disse que meu pai biológico não quis assumir a gravidez. Ela tinha 16 anos e se isso não tivesse acontecido, talvez não fosse adotada”, afirmou Fernanda que foi registrada em Diadema e a adoção aconteceu em Luís Antonio quando tinha 10 meses. “Minha mãe não tinha condições de me manter e naquela época meus pais vieram para São Carlos. Mas eles nunca esconderam minha origem e disse até que minha mãe se chamava Daniela.

“Por este motivo não guardo mágoa da minha mãe biológica. Ela não me deu para outra família porque não quis, mas porque não tinha condições de me criar. Nunca a julguei por isso e até a adolescência, sempre tive vontade de conhecê-la. Mas não sabia como buscar informações. Não sabia seu paradeiro”, afirmou.

Fernanda disse que, após se casar e ser mãe de dois filhos, chegou a perder a esperança em rever Daniela. “Sinceramente não sabia se ela estava viva. Já tinha passado 22 anos. Mas o desejo sempre permanecer vivo em mim”, confidenciou.

SEM CHÃO

Ao ser comunicada por vários amigos que havia uma reportagem no portal onde uma mãe procurava uma filha com o nome Marcela Destro da Silva ou Marcela da Silva Destro e que indícios davam conta que poderiam ser ela, através de detalhes no texto e da foto estampada na matéria, Fernanda afirmou que ficou sem chão. “Foi uma surpresa enorme. Não acreditei. Entrei em contato pelos telefones que estavam no texto e as provas surgiram...”, relatou. “Na hora me senti feliz. Mas fiquei com medo, pois não queria (e não quero) magoar meus pais adotivos que foram compreensivos e entenderam a situação. Hoje me considero uma pessoa privilegiada. Tenho duas famílias. Ganhei mais uma mãe e seis irmãos”, disse.

EM CRAVINHOS

Com passagem de ônibus financiada pelos pais adotivos Adão e Eliana, Fernanda foi até a casa no Jardim Nova Cravinhos, em Cravinhos, conhecer a mãe biológica. Isso na sexta-feira, 11, com o intuito de passar o final de semana.

“Eu e minhas novas irmãs armamos a visita sem ela (Daniela) saber. Quando cheguei, minha mãe biológica se assustou. Choramos, nos desculpamos e conversamos bastante. Nos abraçamos e nos beijamos. Posso dizer que estou aliviada. Encontrei a origem da minha história e é um fardo que sai da costa da gente. Estou mais leve”, disse Fernanda.

ANO DE MUDANÇAS

Emocionada, Fernanda afirmou que 2019 vai ser um ano de mudanças. Permanecerá residindo em São Carlos, mas Cravinhos (região de Ribeirão Preto) será sua segunda cidade. Pretende manter relação próxima com a mãe biológica e seus novos irmãos.

“Não quero mais me distanciar. Quero curtir minha família. Ela está numerosa e sou uma mulher privilegiada. Agradeço a Deus e ao São Carlos Agora. Se não fosse o portal divulgar a reportagem e amigos lerem e me avisar, não teria reencontrado minha mãe. Sou eternamente grata a todos”, disse Fernanda que na tarde de domingo, 13, retornou à casa dos pais adotivos.

BELISCOU PARA VER SE ERA VERDADE

O SCA ouviu também a emocionada mãe Daniela que, com voz embargada resumiu toda sua felicidade.

“Eu não via a hora de ver a Fernanda. Nunca esqueci dela e a emoção é grande. Graças a Deus ela está aqui na minha frente. Estou feliz, alegre. Foram 22 anos de espera. Era uma parte minha que estava perdida”, enfatizou. “Sempre procurei e nunca achava, até que o SCA me ajudou”, emendou.

Hoje, Daniela afirmou que está em paz de espírito e após beijos e abraços, até deu uma beliscada em si mesma. “Queria ver se eu sentia, se estar ao lado da minha filha era verdade”, finalizou...

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias