terça, 05 de março de 2024
Política

Airton Garcia sobre denúncia feita no Ministério Publico: manda entrar com processo no inferno

01 Mar 2017 - 08h23Por Redação
Foto: Divulgação - Foto: Divulgação -

O prefeito de São Carlos Airton Garcia (PSB) gerou polêmica ao confirmar que não vê irregularidade quando seus cargos de confianças utilizam veículo oficial para levar familiares em viagens oficiais. A afirmação se deu durante entrevista realizada pela rádio DBC na última quarta-feira, 24.

O assunto veio a tona durante a entrevista após o caso ter sido denunciado ao Ministério Público pela professora da rede municipal de ensino, Renata Soares, que também denunciou contratação irregular e nepotismo que entende haver na Secretaria de Educação.

Na ocasião, Garcia justificou que não vê problema na utilização do carro oficial para levar parentes, até mesmo pelo fato da cidade de São Paulo ser perigosa. "Uma senhora que não tem coragem de andar naquela cidade em São Paulo, naquelas bocas quente sozinha e então ela pediu para o marido dela ir junto para fazer uma companhia. Agora o cara querer achar que tem desonestidade nisso, tem coisa errada e que vai abrir processo, manda ele entrar com processo no inferno", disse o prefeito ao entrevistador.

Durante o debate na rádio, Airton destacou que "Tem mulher que é corajosa e anda no meio da bandidada e não tem medo, mas a grande maioria tem medo".

Ainda no programa radiofônico, o prefeito afirmou que "o carro da Prefeitura ia levar a pessoa e a gasolina é a mesma, o pedágio é o mesmo. A pessoa pediu a companhia do marido e como a mulher e o marido ia embora iam deixar o filho em casa, então levou a criança junto. Eu não acho nada de errado nisso".

Após a entrevista o São Carlos Agora entrou em contato com a servidora pública municipal que procurou explicar o motivo de procurar o Ministério Público. "Somente procurei meu advogado após ter certeza de tudo o que relatei. A confissão do prefeito não me espanta, tinha certeza que ele sabia em relação a viagem e quanto a Secretaria de Educação. Tudo está comprovado pelos diários oficiais do município", observou.

Já o advogado Joner José Nery ao ser procurado pela reportagem, em nota informou que "o prefeito Airton Garcia além de desdenhar da Justiça e proferir ofensas que entendo ser também aos advogados, confirmou a improbidade administrativa ocorrida, baseando-se no fato de que a cargo de confiança possui medo de  andar em São Paulo sozinha, por isso levou marido e filho em veículo oficial sem a cadeirinha que é obrigatória por lei".

Nery afirmou que solicitou cópia da mídia (entrevista) perante a Rádio DBC FM, ocasião que estará tomando as providências cabíveis junto ao Ministério Público.

Ainda segundo o advogado, se ficar comprovada a improbidade administrativa cometida pela diretora que é cargo de confiança, do prefeito e de quem mais contribuiu para os atos que estão sendo investigados, a pena máxima poderá ser de 2 a 12 anos de reclusão e multa, sem prejuízo da exoneração do cargo, suspensão dos direitos políticos, cassação de mandato e proibição de prestar concurso público.

O SCA ainda obteve a informação que o promotor que estará à frente do caso é o Dr. Sérgio Martin Piovesan de Oliveira.

Leia Também

Últimas Notícias