Menu
sexta, 18 de junho de 2021
Cidade

Pesquisadores do IFSC desenvolvem dispositivo que detecta a leucemia

12 Jul 2015 - 17h34
0 - 0 -

Pesquisadores do Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia do Instituto de Física de São Carlos (GNano/IFSC) desenvolveram um protótipo de biossensor - dispositivo eletrônico - que é capaz de detectar, de forma mais rápida, a leucemia, doença maligna que acumula células anormais na medula óssea - tecido interno do osso -, afetando a produção de células sanguíneas - glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas -, podendo ocasionar anemias, infecções e hemorragias.

Essa pesquisa iniciou-se com a produção de uma nanopartícula de ouro revestida com jacalina - proteína extraída da jaca e que é atraída pelas células leucêmicas, que produzem grande quantidade de açúcar. Assim, essas nanopartículas, que são mil vezes menores que uma célula e que contêm um material que emite luz, invadem apenas as células afetadas pelo câncer. No laboratório do IFSC/USP, e em parceria com pesquisadores do Hemocentro da USP de Ribeirão Preto[TS1]  (SP), os pesquisadores coletaram amostras dos pacientes e deixaram-nas em contato com a proteína durante três horas, enxaguaram e centrifugaram as células, tendo posteriormente analisado os materiais em um microscópio de fluorescência. "Se na imagem da interação entre a amostra e a nanopartícula houver luz fluorescente, significa que é uma célula cancerosa", explica o Prof. Dr. Valtencir Zucolotto, pesquisador responsável pela pesquisa.[TS2] 

Com essa metodologia, Zucolotto orientou a ex-aluna de mestrado do IFSC/USP, Valeria Marangoni, na inserção daquelas nanopartículas de ouro em um eletrodo, ou chip, para a construção de um dispositivo semelhante ao utilizado na detecção da glicose. "Inserimos o sangue com as células do paciente no chip e, através da resposta elétrica, é possível saber se as células em contato com o eletrodo são saudáveis ou de leucemia", diz Zucolotto.

Segundo o pesquisador, embora o diagnóstico da leucemia possa ser feito através de análises clínicas muito eficientes, o certo é que as técnicas têm um alto custo e, em muitas vezes, são bastante complexas. Já o biossensor, que deverá ser portátil, prático e de baixo custo, poderá ser adquirido comercialmente e utilizado em ambulatório. "A nossa ideia não é eliminar os testes que existem hoje, mas, sim, disponibilizar uma ferramenta complementar, para que possa ser feita uma primeira análise de forma mais rápida e acessível à sociedade", conclui ele.

A próxima etapa desse trabalho será realizar novos testes em diferentes células leucêmicas, no sentido de se investigar quais os tipos de células doentes que mais se aplicam ao biossensor, bem como ampliar o número de amostras de pacientes. A expectativa é que, após a conclusão desses estudos, o dispositivo possa ser fabricado por alguma empresa interessada e disponibilizado comercialmente.

Dois artigos sobre este estudo foram já publicados este ano na revista Applied Surface Science  e  ChemElectroChem .

 

Comments system Cackle

Leia Também

Últimas Notícias