segunda, 20 de maio de 2024
Cidade

Combinação diferencia profissionais formados no curso de matemática aplicada do ICMC

Atuando no mercado ou no meio acadêmico, eles vieram de diversos centros para compartilharem suas experiências

21 Set 2015 - 18h08Por Denise Casatti
Reunidos, participaram do 3º Encontro de Egressos do Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica do Instituto.  Foto: Denise Casatti - Reunidos, participaram do 3º Encontro de Egressos do Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica do Instituto. Foto: Denise Casatti -

Eles têm um pouco de computação, de matemática e de estatística percorrendo suas veias: uma combinação especial que os diferencia no mercado de trabalho. Essa foi uma das conclusões a que chegaram os ex-alunos do curso de Matemática Aplicada e Computação Científica do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, durante o encontro realizado no último sábado, 19 de setembro.

Reunidos para compartilharem histórias, trocar experiências, rever os amigos e estreitar os laços entre a Universidade e o mercado de trabalho, eles participaram do 3º Encontro de Egressos do Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica do Instituto.

"A gente aprende no curso a unir conhecimentos de diferentes áreas e nos tornamos multidisciplinares. É isso que o mercado procura e precisa", ressaltou o ex-aluno Leandro Mattiolli, que é assessor de unidade estratégica na Diretoria de Reestruturação de Ativos Operacionais do Banco do Brasil, em Brasília, e se formou em 2009.

Quem também compartilha da opinião de Mattiolli é o analista sênior de risco de mercado do Banco PAN, Alan de Sousa: "O mercado tem muita carência de ferramentas de matemática e de computação capazes de resolver seus problemas." Sousa também se formou em 2009 e diz que um dos diferenciais do curso é formar alunos com poder de abstração. "Nunca tive dificuldade para arrumar emprego e já mudei cinco vezes de trabalho, sempre em busca de melhores oportunidades", disse o ex-aluno, que já atuou no Banco Votorantim, no Itaú Unibanco e na Serasa Experian.

"O curso é um ótimo caminho para quem deseja ter um perfil interdisciplinar. Grande parte da base da minha formação foi construída aqui", revelou Cristiane de Faria, que é professora no Instituto de Matemática e Estatística da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Cristiane concluiu sua graduação no ICMC em 2004 e fez parte da primeira turma de formandos do curso.

Para Rafael Lima de Melo, que é analista de riscos na Unicred do Brasil, em São Paulo, o curso vale muito a pena exatamente por fornecer uma forte base em computação e matemática: "A computação já era minha paixão. Mas a matemática me abriu muito a mente, até para eu entender melhor o mundo".

Já a recém-formada Camila Antunes, que é analista no Itaú Unibanco, em São Paulo, recomendou aos atuais estudantes que se envolvam no maior número de atividades extracurriculares que conseguirem para enriquecerem a formação. Ela fez iniciação científica e também participou da Secretária Acadêmica do ICMC (Sacim). "O aluno USP tem esse diferencial: se você der um abacaxi no colo dele, ele consegue descascar no dente", contou Camila.

DESCOBERTA

Cibele Russo estava decidida a se inscrever no Bacharelado em Matemática em 2011 quando, ao ler o manual de inscrições para o vestibular da FUVEST, descobriu que existia um curso de Matemática Aplicada e Computação Científica. Achou interessante a possibilidade de unir conhecimentos e resolveu arriscar. Hoje, é professora no ICMC e foi uma das coordenadoras do 3º Encontro de Egressos.

"Estudar no ICMC possibilita que a gente reúna uma caixa de ferramentas. Ao sairmos daqui, somos capazes de identificar ou desenvolver as ferramentas mais adequadas para resolver os problemas específicos que encontramos no dia a dia de trabalho", destacou Cibele, que atuou no banco Itaú antes de optar pela carreira acadêmica.

"Os depoimentos dos ex-alunos nos mostraram que há muito mercado de trabalho para quem se forma no curso. Como somos muito exigentes, os alunos que conseguem concluir a formação estão prontos para se dar bem em qualquer lugar", disse o coordenador do curso, professor Leandro de Souza, que também ajudou a coordenar o 3º Encontro de Egressos.

"As oportunidades de atuação para os formandos só tendem a aumentar", finalizou o professor Paulo da Veiga, que ajudou a criar o curso no ICMC, em 1999, e foi seu segundo coordenador.

Leia Também

Últimas Notícias