quarta, 12 de junho de 2024
Cidade

Com médicos plantonistas, Omesc garante que UPA Vila Prado não terá filas nos finais de semana

Organização social assumiu por um mês, após assinar contrato emergencial, a escala de médicos na unidade de pronto atendimento

06 Out 2017 - 12h54
Foto: Marcos Escrivani - Foto: Marcos Escrivani -

"Temos como meta a saúde de São Carlos e procurar trabalhar pela causa. Queremos prestar bons serviços e garantir que não terão filas a partir deste final de semana na UPA Vila Prado". A afirmação foi do médico ortopedista e traumatologista João Luiz Queiroz, 50 anos, presidente da Omesc (Organização de Medicina e Educação de São Carlos) em entrevista na manhã desta sexta-feira, 6, ao São Carlos Agora.

A organização social assinou contrato e a partir deste final de semana será responsável pelos plantões na UPA Vila Prado. "Iremos garantir que todas as sextas-feiras, sábados e domingos tenham pelo menos quatro médicos para atender toda a demanda", disse Queiroz, salientando que a Omesc tem hoje 75 médicos aptos a exercer as funções profissionais. A vigência é de 30 dias, podendo ser renovado por seis meses.

CRIAÇÃO

Queiroz está em São Carlos desde 2014 e neste período foi socorrista e emergencista no Hospital Universitário, UPAs e SMU da Santa Casa.

Segundo ele, a criação da Omesc ocorreu em dezembro de 2016, após o encerramento do contrato entre a Ebserh e a Sahudes que atuavam em conjunto no HU.

"A Sahudes respondia pelos médicos e com o encerramento do contrato, ficamos sem aviso prévio e sem nenhum tipo de ressarcimento. Ficamos dois meses e meio sem salários", disse. "Foi quando houve uma reunião entre os médicos e através de um ato, ocorreu a abertura da Omesc, uma organização social sem fins lucrativos", emendou.

Segundo Queiroz, nos últimos dias, após a Omesc assinar contrato, surgiu uma polêmica quanto a localização da organização social, com conteúdo irônico. "Até abril tínhamos como assessor um ex-diretor do Sahudes, Ricardo Luís Conte, que auxiliou na montagem entidade e o reconhecimento pela Receita Federal. Em abril de 2017 ocorreu a regularização e desde então estamos locados na rua Jesuíno de Arruda, 3375, onde há uma secretária que atende todos os interessados", disse.

Desde abril Queiroz informou ainda que a Omesc participou de duas licitações. "Até então não prestávamos serviços, pois perdemos licitações em Ibaté e Cajamar. Mas ganhamos em São Carlos o contrato emergencial e vamos atuar por seis meses, período em que deverá ser regularizada a contratação de médicos na cidade", afirmou.

UMA UPA É POUCO

Queiroz, por várias vezes, enfatizou ao SCA que a Omesc não tem nada a ver com a Prefeitura Municipal. 

Indagado sobre o fato de apenas uma UPA funcionar em São Carlos, uma cidade com mais de 250 mil habitantes, emitiu seu parecer. "Aqui na Vila Prado são atendidos uma média de 400 a 600 pacientes/dia (a cada 24 horas). É desumano para o corpo de enfermagem e para as recepcionistas. Bem como para aqueles que procuram cuidados médicos. Há necessidade urgente da reabertura das duas UPAs", disse, salientando que 40% das pessoas que procuram a unidade são proveniências do grande Aracy e aproximadamente 20% da região do Santa Felícia.

"Tendo mais duas UPAs não acontece a superlotação e consequentemente não haverá filhas. Os funcionários terão mais tranquilidade no atendimento e com isso o trabalho flui melhor", finalizou Queiroz.

Leia Também

Últimas Notícias