terça, 24 de maio de 2022
Anote na agenda

Espetáculo infantil “Escada pra céu” acontece no Sesc São Carlos

Dormir é para a noite, brincar para o dia e ver TV para os dias chuvosos...mas como resistir ao céu todo estrelado onde também vive quem já nos deixou?

21 Jan 2022 - 07h26Por Redação
Inicialmente focado no teatro popular os atores se aproximaram do cordel e se encontraram com a contação de histórias - Crédito: DivulgaçãoInicialmente focado no teatro popular os atores se aproximaram do cordel e se encontraram com a contação de histórias - Crédito: Divulgação

O Sesc São Carlos apresenta o espetáculo “Escada pra céu” com o Grupo Bugalha (Ribeirão Preto), neste sábado, 22, às 16h30. Os ingressos estão à venda no portal sescs.org.br/saocarlos no dia 18/1.

Três escadas, livremente paramentadas de cacarecos e dois baús de onde saem objetos da imaginação. Assim começa a brincadeira. Dentro de cada escada três crianças são forçadas a deitar e dormir, cumprindo a regra de que o sono é para a noite, assim como a brincadeira é para o sol e a tv é para os dias de chuva. Porém, como dormir se o céu é tão lindo durante a noite e tantas são as belezas, grilos, vagalumes, a lua. A noite desperta a vontade de brincar e contar histórias.

Vê-se acender a primeira escada mostrando o universo da personagem que acredita ser uma cientista, entusiasta ela se dedica intensamente a fazer grandes pesquisas, desta vez movida pela busca da Estrela Sirius. Do outro lado um menino inquieto e cheio de aventuras por fazer e com saudades da mãe, buscando-a encontra lá no céu. Ao meio de muitos desenhos podemos ver a artista pintando grandes obras primas, mas sempre em busca de uma cor que não encontrou. Assim se encontram e todos influenciados pela Cientista, o que eles buscam, é a Sirius, a estrela mais brilhante do céu.

O Grupo Bugalha de Ribeirão Preto, que foi formado originalmente pelos integrantes Daniele Alana, Ton Pereira e Keren Apuka, foi fundado em 2014 e, para conduzir a montagem do primeiro espetáculo do seu repertório, convidou os integrantes da Cia. A DitaCuja Flávio Racy para direção e Michelle Maria para assistente de direção e preparadora de elenco que coordenaram os trabalhos de criação e montagem de "Escada pra céu". Os artistas foram recebidos na Casa das Artes, espaço cultural de Ribeirão Preto que sedia outros quatro grupos profissionais de teatro onde promovem ensaios, oficinas, cursos e apresentações. 

Inicialmente focado no teatro popular os atores se aproximaram do cordel e se encontraram com a contação de histórias utilizando-a como instrumento de pesquisa com base em seus princípios de oralidade, improviso, naturalidade e poética. Juntamente com treinamentos de afinação vocal, percussão corporal e estudo de instrumentos o grupo desenvolveu a identidade desenhada até o presente momento. Atualmente o Grupo conta com a atuação de Daniele Alana, Airton Pereira e Paula Lucisano.

HOMENAGEM A DORIVAL CAYMMI

O Sesc São Carlos traz o show "BNegão canta Dorival Caymmi", que revisita a obra do cantor e compositor baiano Dorival Caymmi (1914-2008). A apresentação será no teatro da unidade, no dia 28 de janeiro, sexta-feira às 20h.

Baseado numa profunda pesquisa de sua obra musical, BNegão lança o olhar para uma das figuras basilares da MPB, promovendo o diálogo com as novas gerações. Do repertório à iluminação, da cenografia ao figurino, o show foi pensado cuidadosamente para contemplar o interesse tanto dos que já conhecem a obra de Dorival quanto dos novos ouvintes, democratizando o acesso à cultura brasileira e garantindo uma boa fruição da experiência artística para os mais distintos públicos.

“Até hoje me lembro da sensação completamente sem precedentes que senti quando a música daquele disco começou a sair pelas minhas caixas de som. Foi uma situação pela qual eu realmente nunca havia passado, de forma tão profunda, botando um simples vinil na vitrola. Ainda me lembro onde eu estava e de detalhes daquele início de noite, no Rio de Janeiro, na segunda metade dos anos 80, tal foi o impacto daquilo dentro de mim. 

O disco era “Caymmi e Seu Violão”, que eu, inocentemente, e completamente sem bula, adquiri num sebo qualquer do centro da cidade, muito barato, sem nenhuma indicação. Achei que seria um disco de voz e violão “padrão”, calmo, leve, brejeiro, daqueles pra ouvir no pôr do sol, deitado na rede e tomando água de coco (tudo que eu já tinha ouvido falar sobre Dorival Caymmi, me conduzia a essa visão estereotipada, a essa ideia)”. 

As “Canções Praieiras” são um acontecimento único na música mundial: o primeiro disco gravado/registrado pelo, então, iniciante e semi-desconhecido Dorival Caymmi. Força, violência e beleza. O mar, o vento, Iemanjá. Vida e morte. Os jangadeiros. Os pescadores. Um universo singular que nos foi apresentado de forma fantástica por essa entidade máxima dos sons produzidos em nosso país.

Impactado pela obra musical desse baiano, BNegão que já viajou pelo mundo defendendo suas músicas e ideias seja com o Planet Hemp ou com os Seletores de Frequência traz agora essa aventura de interpretar junto com o violonista Bernardo Bosisio as canções de Dorival Caymmi no formato voz e violão.

Leia Também

Últimas Notícias