Menu
quinta, 18 de outubro de 2018
Cidade

Dados da Oncologia da Santa Casa mostram aumento de casos de câncer

31 Out 2014 - 17h04

O levantamento ainda indica qual tumor tem maior incidência é o câncer de mama, seguido pelos casos de tumores da próstata

Levantamento dos últimos cinco anos da Oncologia da Santa Casa de São Carlos indica crescimento no número de casos e tratamentos de câncer. De 2009 a 2013 foram registrados no hospital 2.431 pacientes a procura de tratamento quimioterápico, tanto pelo Sistema Único de Saúde (SUS) como também através de convênio médico.

Comparado o número de pacientes dos últimos cinco anos registra-se um crescimento na quimioterapia de 21,68%. Em 2009, passaram por tratamento do câncer pela Santa Casa, 438 pacientes. Os dados de 2013 apontam que 533 pacientes foram tratados no hospital. O levantamento aponta um crescimento de 29,8% no número de sessões de quimioterapia, passando de 6.249 realizadas em 2009 para 8.117 no ano passado. A procura pela radioterapia também mostra um crescimento ascendente. No mesmo período, foram tratados mais de 2 mil pacientes.

“No Brasil, o câncer representa a segunda causa de morte na população adulta, dos quais, de acordo com as previsões do Instituto Nacional do Câncer (INCA), a incidência da doença continuará aumentando se as medidas preventivas não forem amplamente adotadas”, afirmou o médico oncologista Flávio Guimarães.

O levantamento da Santa Casa ainda indica qual tumor tem maior incidência. O câncer de mama está em primeiro lugar, seguido pelos casos de tumores da próstata, cólon e reto.  Os dados ratificam a campanha Outubro Rosa dedicada ao alerta sobre o câncer de mama e o início do movimento Novembro Azul, que traz a precaução ao homem sobre o câncer de próstata.

Ao classificar a incidência da doença na mama e próstata e analisar, por exemplo, os dados de 2013, dos 3.422 pacientes que buscaram tratamento quimioterápico, 71% registrou tumor de mama e 29% de próstata. Essa estatística não se difere nos anos anteriores.

O câncer de mama é o mais incidente na população feminina mundial e brasileira, excetuam-se os casos de câncer de pele não melanoma. Para a oncologista Patrícia Ratto, a mobilização da sociedade como acontece na Campanha Outubro Rosa serve para fortalecer a importância da prevenção, possibilitar o diagnóstico precoce da doença e com isso o tratamento recomendado no menor tempo possível.

“As mulheres devem fazer o autoexame e paralelamente, manter as consultas ao ginecologista e a partir dos 40 anos incluir a mamografia na rotina dos exames anuais. É importante ressaltar que mesmo não percebendo nódulos no autoexame, a mulher deve procurar manter avaliação regular com médico especialista e realizar exames preventivos conforme recomendado”, declarou.

O tumor da próstata atinge 10% dos casos de câncer da população mundial, por isso é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos, ou 75%, no mundo ocorrem a partir dos 65 anos.

O aumento observado no número de casos pode ser justificado pelo aumento na expectativa de vida da população, pela evolução dos métodos diagnósticos (exames) e pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação e notificação da doença.

“Nos últimos anos o exame de PSA (Antígeno Prostático Específico) realizado na investigação do câncer de próstata, por exemplo, possibilitou o diagnóstico mais precoce da doença em pacientes que não apresentavam nenhum sintoma”, afirma Guimarães.

Na avaliação dos especialistas, culturalmente, o homem ainda apresenta algumas restrições na realização dos exames preventivos da próstata, diferente do cuidado que as mulheres têm com o próprio corpo.

O médico valorizou a iniciativa da campanha Novembro Azul, que alerta quanto às necessidades do homem fazer os exames preventivos após os 50 anos, ou antes, quando houver indicação.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias