Menu
sexta, 05 de março de 2021
Polícia

Vigilantes são indiciados acusados de matar ladrão na linha férrea

Caso aconteceu em dezembro de 2019 e foi esclarecido pela DIG.

23 Fev 2021 - 07h05Por Redação São Carlos Agora
Policiais participam da reconstituição do crime nesta segunda-feira - Crédito: Colaborador SCAPoliciais participam da reconstituição do crime nesta segunda-feira - Crédito: Colaborador SCA
Delegado Gilberto de AquinoDelegado Gilberto de Aquino e equipe da DIG esclareceram mais um caso de homicídio em São Carlos

A Polícia Civil, através da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), esclareceu a morte de Ismael Gomes, 44, que ocorreu no dia 17 de dezembro de 2019, na linha férrea que corta o assentamento Nova São Carlos, na estrada do Broa. Dois vigilantes terceirizados que prestam serviços à empresa Rumo foram indiciados pelo crime de homicídio. A reconstituição do caso foi realizada na tarde desta segunda-feira (22) e contou com a participação das testemunhas e dos acusados.

Segundo os relatórios da Polícia Civil, Ismael foi até um ponto da ferrovia onde os trens costumam fazer manobras para tentar furtar farelo de soja e milho que eram transportados pela composição e seriam usados para alimentar os porcos da sua propriedade. Ele estava acompanhado de dois sobrinhos.

A DIG apurou que Ismael e um dos sobrinhos subiram sobre um dos vagões. O outro sobrinho ficou no chão e percebeu quando o trem começou a se movimentar. Neste instante ele ouviu disparos vindo de uma mata do lado oposto ao assentamento.

Os sobrinhos conseguiram fugir e Ismael ficou para trás. Um deles disse ter visto o atirador no meio do mato e que usava roupa preta com um emblema na altura do peito, igual ao da empresa de segurança.

O corpo de Ismael foi encontrado parcialmente dilacerado sobre os trilhos, o que sugere que teria sido atropelado pelo trem, mas o sobrinho acredita que ele tenha sido colocado no local após ter sido alvejado.

O laudo do IML apontou que a causa da morte foi hemorragia interna traumática e anemia aguda, produzidas por ferimento de disparo de arma de fogo e pelos ferimentos causados pelas rodas do trem.  

O relatório elaborado pelo delegado Gilberto de Aquino, aponta que apesar de não ser possível o confronto balístico entre as armas de fogo usadas pelo segurança  e fragmento apreendido no corpo do cadáver, as demais provas e indícios apontam que os vigilantes eram os únicos que estavam na cena do crime. Provavelmente eles atiraram para evitar o furto contra a empresa Rumo a qual prestavam serviços.

Os vigilantes negaram qualquer envolvimento na morte de Ismael, disseram que foram acionados pela empresa para verificar um encontro de um cadáver na linha férrea.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias