Menu
quarta, 23 de setembro de 2020
Qualidade de Vida

Esporão de Calcâneo

18 Jul 2018 - 05h16Por (*) Paulo Rogério Gianlorenço
Esporão de Calcâneo -

O osso de maior tamanho na estrutura óssea do pé é o calcâneo (calcanhar), o calcanhar suporta todo o peso do nosso corpo, sofrendo, dessa maneira, um impacto intenso e constante do nosso corpo. O esporão de calcâneo, ou esporão de calcanhar, é um problema ortopédico que surge devido ao crescimento anormal de uma parte do osso do calcanhar (na sola do pé), formando uma protuberância, que pode provocar intensa dor na sola do pé.

Microtraumatismos no osso calcâneo podem levar à formação do esporão. As mesmas lesões que, normalmente, desencadeiam o surgimento da chamada fascite plantar, inflamação da fáscia plantar tecido que recobre a musculatura da sola do pé, também provocam o aparecimento do esporão de calcâneo, a dor característica não decorre do esporão, como muitas pessoas imaginam, mas sim da inflamação do tendão e da fáscia, as mulheres são as mais suscetíveis ao problema.

Essa inflamação crônica da parte inferior do calcanhar afeta, não apenas, o osso calcâneo, mas também os tendões, a inflamação se estenda por um tempo prolongado, pode acabar levando à calcificação dos tecidos ao redor do osso do calcanhar, esse fenômeno é o que leva à formação dos esporõe, qualquer situação que cause estresse crônico à região do calcanhar pode provocar o desenvolvimento de um esporão. Como uma das extremidades da fáscia plantar fica aderida à base do osso calcâneo, a fascite plantar (inflamação da fáscia) possui os mesmos fatores de riscos que o esporão de calcanhar, sendo comum a coexistência dos dois problemas ortopédicos.

São fatores de risco para o desenvolvimento do esporão de calcâneo e da fascite plantar:

  • Idade acima de 40 anos.
  • Obesidade
  • Pé chato. Pé cavo.
  • Prática de esportes de alto impacto nos pés, como corrida, ballet e dança.
  • Trabalhar muito tempo em pé, como seguranças, professores, cirurgiões, trabalhadores de fábrica, etc.
  • Uso excessivo de salto alto.
  • Uso de calçados pouco apropriados para os pés, como sapatos apertados, largos ou velhos.
  • Alterações da marcha, como pisar com o pé torto, principalmente com a parte de dentro dos pés.

SINTOMAS DO ESPORÃO DE CALCÂNEO

Dificilmente o esporão causa um sinal aparente, como vermelhidão ou inflamação, o problema é a dor. Geralmente, a dor é pulsante na zona plantar do calcanhar, nem toda dor nessa região é esporão e há casos em que o problema é assintomático.

A simples existência de um esporão não é suficiente para causar dor em cerca de 95% dos pacientes. Para haver dor é preciso existir também inflamação na região ao redor do calcanhar, geralmente com acometimento da fáscia plantar.

Apesar de ter uma forma pontiaguda, a dor do esporão não costuma ocorrer pelo espetamento de alguma estrutura ao seu redor o surgimento da dor pelo processo inflamatório local que é provocado por microtraumas repetitivos, os pacientes com esporão de calcanhar que se queixam de dor apresentam também o quadro de fascite plantar (é bom salientar que o esporão do calcanhar não provoca a fascite plantar).

Quando há inflamação local o sintoma mais comum é uma dor na planta do pé, especialmente na região abaixo do calcanhar. A dor é tipicamente pior durante os primeiros passos, como ao sair da cama de manhã ou levantar-se depois de estar sentado por algum tempo, o caminhar se torna muito dolorido.

A inflamação pode ser controlada com repouso e gelo local. Mas nos casos em que há resistência, a melhor forma de tratamento é a Fisioterapia que oferece exercícios e alongamentos bem específicos para os pés e as panturrilhas, alguns recursos terapêuticos são usados na analgesia e inflamação, a grande maioria dos pacientes responde muito bem ao tratamento com técnicas Fisioterapêuticas, podendo ajudar no alívio da dor e redução da inflamação.

Se não houver contra-indicações, o uso de anti-inflamatórios por curto período ajuda bastante no controle do processo inflamatório, injeções de corticóides podem ser utilizadas nos casos em que não há resposta satisfatória ao tratamento conservador.

A cirurgia para retirada do esporão é a última alternativa e atualmente é raramente indicada, pois a grande maioria dos pacientes consegue controle da dor com medidas conservadoras.

O autor é graduado em Fisioterapia pela Universidade Paulista Crefito-3/243875-f Especialista em Fisioterapia Geriátrica pela Universidade de São Carlos e Ortopedia.

Esta coluna é uma peça de opinião e não necessariamente reflete a opinião do São Carlos Agora sobre o assunto.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias