quarta, 29 de maio de 2024
Artigo Rui Sintra

Grana vai... grana vem... Onde está a grana?

07 Mar 2020 - 07h00Por (*) Rui Sintra
Grana vai... grana vem... Onde está a grana? -

Causou impacto negativo na sociedade são-carlense o pedido de devolução feito pela União de mais de dois milhões de reais à Prefeitura de São Carlos, uma verba que foi repassada entre janeiro de 2017 e abril de 2018, relativa ao funcionamento da UPA de Santa Felícia, que, por incompetência dos poderes legislativo e executivo, se manteve fechada nesse mesmo período, independente de se apresentar pronta para entrar em serviço, em termos de infraestruturas e de equipamento.

Obviamente, se este caso acontecesse em uma prefeitura com um mínimo de organização, seriedade e competência, esses cerca de dois milhões teriam sido imediatamente devolvidos, pois não teriam sido gastos, ou seja, estariam fielmente depositados. Contudo, é bom lembrar que estamos em São Carlos, a “Capital da Tecnologia”, e com certeza algum cientista renomado oriundo de uma de nossas universidades desenvolveu um processo inovador que fez com que esse dinheiro se teletransportasse para outro destino e... esfumou-se! Como pode, em face do ocorrido, o executivo ter pedido ao legislativo um crédito especial nesse valor para devolver à União. Banana p’ra ele!!! Irritados com a “bagunça” criada pelo poder executivo, os membros do legislativo de nossa cidade começaram a jogar o “bolo” no colo uns dos outros, como se a culpa também não fosse deles. Destinada especificamente à UPA de Santa Felícia, o dinheiro foi entretanto utilizado na Unidade de Pronto Atendimento da Vila Prado, sob a argumentação que nesta estavam trabalhando os servidores destinados à unidade de Santa Felícia. Uma confusão de todo o tamanho gerada, uma vez mais, por quem não tem competência nem para dirigir um pequeno condomínio, quanto mais uma cidade do porte de São Carlos. É claro que se uma verba entra para um destino específico, cabe ao responsável por esse setor prestar contas sobre toda a grana - a que entra, a que sai e a que tem que ser mantida como remanescente - portanto, essa verba de mais de dois milhões de reais não deveria ter sido utilizada para qualquer outra ação, pois seu destino era a UPA de Santa Felícia e isso está bem explicitado. Também é certo de que quem ocupa a função de vereador deve fiscalizar tudo isso e se existirem irregularidades deverá imediatamente promover as indagações necessárias e pedir responsabilidades sérias e objetivas. Contudo, nós sabemos muito bem o que se passa nos corredores políticos e nos gabinetes de ambas as casas (legislativo e executivo): é aí que os lanchinhos são partilhados e degustados, fora das vistas do cidadão comum. É bom abrir os olhos, pois estamos em 2020.

(*) O autor é Jornalista profissional / Membro da GNS Press Association (Alemanha) / Correspondente internacional freelancer.

Esta coluna é uma peça de opinião e não necessariamente reflete a opinião do São Carlos Agora sobre o assunto.

Leia Também

Últimas Notícias