Menu
sexta, 21 de fevereiro de 2020
O papo é carro!

Cuidado para a bateria do seu carro não te deixar na mão

05 Fev 2020 - 07h30Por Matheus Fontana
Cuidado para a bateria do seu carro não te deixar na mão - Crédito: Imagem de StockSnap por Pixabay Crédito: Imagem de StockSnap por Pixabay
Sempre atendo ligações de clientes com problemas na bateria do veículo. Hoje em dia as baterias não duram muito mais que dois anos, por isso fique em algumas dicas que podem ajudar a trocar a bateria antes dela deixá-lo na mão.
 
Entre os componentes de vida limitada no automóvel, a bateria é uma das mais amaldiçoadas, pois só pifa quando não pode. E o que é pior: costuma enganar o motorista que vê acesa no painel a luz de alerta da bateria e pensa que o defeito é dela. Não é!
 
Existem vários sintomas no comportamento do carro que sinalizam se o problema é mesmo do componente. Vamos aos sete principais:
 
1. Alérgica ao frio
Se há uma desconfiança em relação à bateria, pode transformá-la em quase certeza na época de temperaturas mais baixas, quando elas escolhem para pifar. Não é coincidência: elas produzem energia elétrica a partir de uma reação química. Mais difícil de acontecer no frio.
Além disso, o próprio motor exige mais, pois o combustível se vaporiza com maior dificuldade e o óleo, mais viscoso, aumenta o atrito a ser vencido pelas partes móveis.
 
2. Motor vira devagar
Se, no momento de ser acionado, o motor vira lentamente, é bastante provável que a bateria esteja sem carga suficiente. E uma pequena possibilidade de que seja algum problema mecânico.
 
3. Arranque não vira
O motorista aciona o arranque mas o motor não se mexe. As vezes só se ouve um “clic-clic-clic”. Para se verificar a origem do problema, a sugestão é ligar faróis e buzinar ao mesmo tempo. Se a bateria estiver normal, os dois vão funcionar normalmente e, então, o problema é do próprio motor de arranque. 
 
4. Luz de alerta engana
A luzinha no painel que se acende com o desenho de uma bateria NÃO significa problema nela,mas de que não está sendo carregada adequadamente. Pode ser um problema no alternador,ou na correia que o aciona, etc. 
 
5. Azinhavre nos polos
Uma rápida verificada na bateria é suficiente para se perceber a presença de azinhavre (zinabre) nos polos, ou terminais. Que é uma corrosão do metal e prejudica a passagem da corrente elétrica. Uma boa limpeza – que pode ser com Coca-Cola, lembrando-se de lavar depois com água – resolve o problema.
 
6. Data de fabricação da bateria
Se falta corrente elétrica e se desconfia da bateria, vale a pena verificar a data de fabricação que está sempre registrada em sua superfície superior, perto dos terminais. Não existe um prazo definido, mas ela em geral dura pelo menos dois anos. Algumas chegam a três ou quatro anos, mas não vão muito além disso. Se estiver muito acima, é porque já deu seu suspiro final…
 
7. Tente a chupeta…
Se a bateria estiver mesmo “arriada”, uma boa receita para verificar é tentando uma“chupeta”, ou seja, ligando em seus terminais os cabos vindos de outra bateria. Se o arranque funcionar, fica comprovado que o problema era da bateria. Mas que poderia estar momentaneamente descarregada pelo esquecimento de faróis ligados, por exemplo. Assim que a chupeta for desligada e o carro funcionar por alguns minutos, ela volta a funcionar.
 

 

Sobre o autor
 
Matheus Fontana é natural de São Carlos, empresário no ramo automotivo há mais de 20 anos. É proprietário da SF Automotiva. Fone: (16) 3368-3957
comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias