Menu
terça, 11 de maio de 2021
Na USP São Carlos

Pesquisadores do IFSC utilizam Terapia Fotodinâmica no combate à esporotricose

Gato doméstico é o principal agente epidemiológico; através de marcação territorial, pode inocular fungos aos seres humanos

26 Abr 2021 - 06h31Por Redação
Combate convencional a esta doença consiste no uso de antifúngicos tradicionais, porém, o tratamento é longo - Crédito: DivulgaçãoCombate convencional a esta doença consiste no uso de antifúngicos tradicionais, porém, o tratamento é longo - Crédito: Divulgação

Enquanto estamos todos focados com a pandemia causada pelo Coronavírus, outras doenças caminham entre nós, de forma silenciosa, como é o caso da esporotricose, uma micose causada por um fungo presente em solos, vegetais, madeira e em matéria em decomposição. Por causa disso, ficou conhecida como a “doença do jardineiro”, já que uma forma comum de contágio se dá por manuseio da terra e de acidentes com espinhos. Contudo, o principal agente epidemiológico envolvido na transmissão da esporotricose é o gato doméstico, caracterizando-se essa doença como uma zoonose, daí que seja necessário um cuidado muito especial com esse simpático animal de estimação.

Através da marcação territorial - seja arranhando troncos de árvores ou brigando com gatos infectados, ou mesmo ao cobrir suas fezes com terra - o gato se contamina e, posteriormente, pode inocular esse fungo no homem ou em outro gato através da arranhadura, mordedura ou quando houver contato com as secreções das feridas que apresenta. Os sinais da doença surgem após semanas a partir do contágio e são caracterizados, inicialmente, por feridas na pele que nunca cicatrizam. Se não houver tratamento rápido e adequado, podem progredir para o sistema linfático e, em seguida, proliferar por órgãos, como pulmões, ossos e articulações, podendo, em casos mais graves, levar à morte em ambas as espécies.

Em virtude do número de casos dessa doença aumentar diariamente no mundo, principalmente em países tropicais e subtropicais, e onde no Brasil a infecção é relatada como endêmica, sendo líder mundial (em 2017 o Brasil registrou 5 mil casos em humanos, enquanto que nos Estados Unidos - segundo país mais afetado - o registro foi de 62 casos), pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) e do Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica (CEPOF), igualmente alocado neste Instituto, através de testes in vitro, estão utilizando a Terapia Fotodinâmica (TFD) como terapia alternativa no combate à esporotricose, tendo já colhido resultados bastante satisfatórios ao longo da pesquisa. O objetivo é obter uma resposta eficaz na eliminação da esporotricose e diminuir o tempo de tratamento da doença, usando a TFD como terapia única, ou associada à medicação convencional. Dentre as vantagens da técnica, temos o seu baixo custo, facilidade de aplicação e pequena infraestrutura necessária para aplicação, poucos efeitos colaterais, ação local e sem relatos do desenvolvimento de resistência.

O combate convencional a esta doença consiste no uso de antifúngicos tradicionais, porém, o tratamento é longo (chega a durar anos), o que acarreta o surgimento de efeitos colaterais nos pacientes, como anorexia, danos hepáticos e risco de intoxicação. Por outro lado, muitos tutores abandonam seus gatos, principalmente se algum membro da família contraiu a doença, o que contribui ainda mais para a perpetuação e multiplicação da esporotricose no ambiente. Também é comum o uso indiscriminado da medicação pelos pacientes, fator que facilita o surgimento de isolados fúngicos resistentes aos fármacos disponíveis.

Assim, a eficiência limitada do tratamento convencional aponta a necessidade de se buscarem alternativas terapêuticas comprovadamente eficazes, como é o caso da TFD, técnica que utiliza a interação da luz, de uma substância chamada fotossensibilizador, e do oxigênio presente nas células. Muitos já utilizam essa modalidade terapêutica para tratamento de câncer e de infecções e, no caso da esporotricose, a TFD surge como uma terapia alternativa promissora.

Esta pesquisa do IFSC/USP está sendo coordenada pela Dra. Hilde Buzzá, juntamente com a aluna de mestrado Amanda Rocha e com supervisão do Prof. Vanderlei Bagnato, tendo como base que o uso da TFD já é algo consolidado na Medicina Humana e na Veterinária, sendo que sua aplicação no tratamento de micoses cutâneas em humanos e gatos se mostra como uma grande possibilidade terapêutica, principalmente em locais com grande incidência de animais de rua e com poucos recursos financeiros. As pesquisas em Biofotônica do CEPOF do IFSC/USP com fungos, como Cândida e Onicomicose, e seu grande sucesso em pesquisas animais, indica que a TFD para o tratamento da esporotricose será também um grande sucesso.

Hilde relata, de forma sumária, como tem sido os trabalhos no laboratório: “De fato, fizemos a caracterização do crescimento do fungo nas suas duas formas - a encontrada no ambiente e a que está presente na lesão. Após isso, foram testados diferentes fotossensibilizadores e doses de luz para encontrar os melhores parâmetros para a eliminação desses microrganismos. Dessa forma, ao zerar as colônias ou reduzindo a quantidade de fungos, combinamos esse procedimento com o tratamento convencional - o antifúngico itraconazol - para reduzir o tempo de tratamento, usando a TFD tanto como terapia principal, como associada”. Os próximos passos da equipe de pesquisadores será testar os melhores parâmetros da TFD em modelos animais, com camundongos infectados.

Participam também deste trabalho a Drª Natalia Inada, Técnica de Nível Superior do IFSC/USP, e o mestrando Marco A. Tiburcio. (Rui Sintra - Jornalista IFSC/USP)

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias