Menu
sábado, 05 de dezembro de 2020
Saúde

Pesquisa realizada em São Carlos identifica, pela primeira vez, parasita causador de doença em ossos de dinossauros

Estudo ocorrido na UFSCar e em parceria com a Unicamp e UFRN, aponta semelhança com doenças atuais que acometem humanos

05 Nov 2020 - 07h39Por Redação
Parasitas foram identificados em ossos de saurópodes - Crédito: DivulgaçãoParasitas foram identificados em ossos de saurópodes - Crédito: Divulgação

Uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), identificou o parasita causador de uma doença óssea crônica - a osteomielite - em ossos de dinossauros saurópodes, do grupo dos Titanossauros, com mais de 80 milhões de anos. A descoberta, inédita no mundo, é importante para o entendimento de doenças similares que acometem a espécie humana ainda hoje e cujos mesmos tipos de parasitas já derrubavam os gigantes do Período Cretáceo.

Os ossos fósseis, que correspondem a restos de dinossauros carnívoros e herbívoros, foram encontrados pela equipe do Laboratório de Paleoecologia e Paleoicnologia, do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva (DEBE) da UFSCar, em diversas incursões a campo, na região de Ibirá (SP). "Desde o ano de 2006, esse material vem sendo incorporado à coleção de Paleontologia do DEBE, para que pudesse ser estudado pelos nossos estudantes e por pesquisadores de diferentes instituições", diz Marcelo Adorna Fernandes, docente do DEBE e coordenador do Laboratório da UFSCar.

A presença do microrganismo que causava a osteomielite nos saurópodes foi identificada e passou por análises sob microscópio, que mostraram a existência de parasitas fossilizados na medula óssea. "Foi algo raro e inusitado, pois nunca antes foram encontrados parasitas em ossos de dinossauros, apenas em insetos preservados no âmbar, resina fóssil, e também em coprólitos, fezes petrificadas", aponta Fernandes sobre o ineditismo do estudo.

A osteomielite identificada no fóssil do saurópode ainda é diagnosticada nos dias de hoje. A doença acomete os seres humanos com infecções provocadas por bactérias ou fungos. "Quando um osso é infectado, esses microrganismos podem chegar até à medula óssea, que inflama e diminui a irrigação sanguínea. Devido a isso, ocorre uma necrose no local afetado", explica o professor. Quando a osteomielite é crônica, a infecção atinge áreas externas ao osso e provoca abscessos, com a formação de feridas e úlceras na pele. De acordo com Adorna, outra doença muito parecida com esta do dinossauro é a Leishmaniose, causada por protozoários flagelados, transmitida pela picada do mosquito palha e que pode se manifestar, no ser humano, de diferentes formas - a cutânea, conhecida como Úlcera de Bauru; e a visceral.

No caso do dinossauro, o docente explica que os parasitas se instalaram na região medular do osso. "No entanto, ainda não conseguimos precisar se a doença crônica se instalou primeiro no dinossauro ou se foi o parasita que abriu caminho para a infecção óssea", completa. Fernandes acrescenta que a doença devia causar muita dor e sofrimento ao dinossauro, que já era velho, provocando úlceras na pele, fístulas e secreção purulenta, "o que lhe dava um aspecto de zumbi, daí o apelido de Dinossauro Zumbi".

Para o pesquisador, a descoberta do parasita em animais do passado é importante para compreender as doenças atuais. "Quando começamos a entender o processo infeccioso no nível microscópico, podemos investigar o desenvolvimento de doenças degenerativas e que acometeram os organismos do passado. Ao se comparar com doenças atuais, até mesmo no nível celular, podemos compreender que o resultado das infecções são os mesmos, pois os processos acontecem da mesma maneira. Então, evolutivamente, a relação entre parasita e hospedeiro parece ser tão antiga quanto os próprios dinossauros", conclui.

A pesquisa foi desenvolvida inicialmente no Laboratório de Paleoecologia e Paleoicnologia do DEBE, por Tito Aureliano, mestrando da Unicamp, pesquisador na UFRN e colaborador do Laboratório da UFSCar, sob coorientação do professor Marcelo Adorna Fernandes, e foi divulgada recentemente em publicação internacional (https://bit.ly/3jHR0we). Os pesquisadores elaboraram um vídeo sobre o estudo, que pode ser acessado no canal do Youtube dos Colecionadores de Ossos (https://bit.ly/3kAbQ1U). Participaram também da pesquisa e do artigo, Carolina Santa Isabel, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais (PPGERN) da UFSCar; Fresia Ricardi-Branco, orientadora e docente da Unicamp; e Aline Ghilardi, ex pós-doutoranda do PPGERN e atual professora e paleontóloga da UFRN.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias