quinta, 11 de agosto de 2022
Saúde

Paciente com a varíola dos macacos permanece em isolamento residencial com boa evolução do quadro clínico

Homem de 34 anos, esteve recentemente na capital paulista e passou por atendimento na rede particular em São Carlos

20 Jul 2022 - 16h33Por Redação São Carlos Agora
Monkeypox Vírus - Crédito: stefamerpik/Free PikMonkeypox Vírus - Crédito: stefamerpik/Free Pik

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Departamento de Vigilância em Saúde, confirmou na noite da última terça-feira (19/07), o primeiro caso de varíola dos macacos (Monkeypox) em São Carlos. O paciente, um homem de 34 anos, esteve recentemente na capital paulista, passou por atendimento na rede particular e no momento está em isolamento residencial com boa evolução do quadro. A Vigilância Epidemiológica do município, em parceria com o Estado e serviço privado de saúde que atendeu o paciente, monitora o caso e seus respectivos contatos.

A varíola dos macacos é uma doença causada por vírus e transmitida pelo contato próximo/íntimo com uma pessoa infectada e com lesões de pele. Este contato pode se dar por meio de um abraço, beijo, relações sexuais ou secreções respiratórias. A transmissão também ocorre por contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies que foram utilizadas pelo doente.

Não há tratamento específico, mas, de forma geral, os quadros clínicos são leves e requerem cuidado, acompanhamento e avaliação do quadro e das lesões.

O maior risco de agravamento acontece, em geral, para pessoas imunossuprimidas com HIV/AIDS, leucemia, linfoma, metástase, transplantados, pessoas com doenças autoimunes, gestantes, lactantes e crianças com menos de 8 anos de idade.

“Os primeiros sintomas associados à doença são febre, dor de cabeça, dores musculares, calafrios ou cansaço. De 1 a 3 dias após o início desses sintomas, as pessoas desenvolvem lesões de pele que podem estar localizadas em mãos, boca, pés, peito, rosto e ou regiões genitais. O período de incubação varia de 5 a 21 dias”, afirma Crislaine Mestre, diretora de Vigilância em Saúde.

A diretora ressaltou, ainda, que as pessoas devem procurar a rede de saúde mediante o aparecimento de lesões para que seja realizado histórico epidemiológico, avaliação do quadro clínico e diagnóstico. “As lesões na pele evoluem em cinco estágios: mácula, pápulas, vesículas, pústulas e finalmente crostas, estágio final, quando as feridas caem. Para prevenir a doença é importante evitar contato próximo ou íntimo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado, evitar o contato com quaisquer materiais que tenham sido utilizados pela pessoa doente; e higienizar as mãos, lavando-as frequentemente com água e sabão ou álcool gel”, finaliza Crislaine Mestre.

A doença Monkeypox é de notificação compulsória. O exame para confirmação da varíola dos macacos é realizado no Estado de São Paulo pelo Instituto Adolfo Lutz por meio do encaminhamento da coleta de crostas das lesões ou secreções dessas lesões.

Leia Também

Últimas Notícias