Menu
quinta, 17 de junho de 2021
Polícia

Tribunal do Júri leva ao banco dos réus acusado de matar Maiara

José Enrique Vendrasco deverá responder por pelo menos dois crimes.

26 Mai 2015 - 09h42
Maiara foi sepultada do distrito de Santa Eudóxia. (foto Pedro Maciel). - Maiara foi sepultada do distrito de Santa Eudóxia. (foto Pedro Maciel). -

Na segunda quinzena de Junho, o Juiz Daniel Luiz Maia Santos deverá reunir o Ministério Público Estadual, advogados criminalistas e o Conselho de Sentença formado por sete membros da sociedade para levar ao banco dos réus no Fórum Criminal da cidade de Leme o ex-funcionário público municipal de São Carlos José Enrique Vendrasco, 53, o "Riquinho" e o ex-presidiário Vander Fabiano da Silveira, 30, o "Fabiano", que são apontados como sendo os responsáveis pela entrega de arma e execução da doméstica Maiara Cristina de Oliveira, 25, que no início da manhã do dia 3 de Janeiro de 2013 foi levada até a área rural de Leme, onde foi emboscada e assassinada com tiros de arma de fogo pelas costas.

O caso tem uma segunda etapa investigativa que corre em segredo de Justiça pela Corregedoria da Polícia Civil nos municípios de Piracicaba, onde funciona a sede do Departamento de Polícia Judiciária (Deinter) 9 e Delegacia Seccional de Polícia Civil de Limeira, onde está instalado o Instituto Médico Legal (IML), local em que teria ocorrido a subtração do feto que Maiara carregava no ventre e que receberia o nome de João Miguel.

O ex-presidiário Vander Fabiano da Silveira que chegou a ser pronunciado como coautor do crime agora será julgado pelo crime de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido (artigo 14, da Lei 10.826/2003). Já José Enrique Vendrasco, foi pronunciado como incurso no artigo 121, § 2o, incisos I e IV do Código Penal (CP) - (homicídio qualificado, com pagamento de recompensa e a traição, bem como por emboscada, a qual impediu que Maiara conseguisse escapar da morte). Ele também será julgado pelo crime de aborto provocado (artigo 125) também do Código Penal, pois ele teria oferecido o medicamento "Cytotec" à doméstica Parentes confeccionaram camisetas em homenagem a jovem. (foto Divulgação)que não engoliu as pílulas que posteriormente foram entregues à Polícia Civil e devem fazer parte de provas do processo.

Samara Lima, prima e confidente de Maiara disse que muitos moradores do sub-distrito de Santa Eudóxia devem acompanhar o julgamento em Leme e ela e toda família espera por Justiça e que os responsáveis pelo bárbaro crime sejam responsabilizados e presos.

Segundo ela, ainda em 2012 Maiara teria lhe confidenciado um relacionamento com José Enrique Vendrasco e que estaria grávida dele.

Devido a este relacionamento e sabendo que ele era casado Maiara teria dito que para não trazer problemas ao funcionário público municipal comunicava que sustentaria o filho e diria que o pai seria uma pessoa de Ibaté. Já durante os festejos natalinos de 2012, a doméstica reunida com familiares teria comunicado e convidado Samara para batizar seu filho que receberia o nome de João Miguel, que dias após teria até compra roupinhas para batizar o sobrinho, porém Maiara foi levada para Leme, onde foi friamente assassinada e seu filho foi arrancado de seu ventre.

RECONHECIMENTO PELO SÃO CARLOS AGORA

Samara diz que foi graças a um policial civil de Leme que o caso veio a tona, pois este policial que esteve no local onde o corpo se encontrava e no IML de Limeira, foi quem reconheceu as fotos de Maiara dada como pessoa desaparecida no site São Carlos Agora e comunicou a Polícia Civil em São Carlos que auxiliou nos trabalhos que devem ser levados ao Tribunal do Juri.

Comments system Cackle

Leia Também

Últimas Notícias