Menu
quinta, 04 de março de 2021
Entretenimento

Professor da UFSCar lança livro sobre poema de autor indianista

29 Mar 2016 - 11h21Por Redação
Foto: CCS-UFSCar - Foto: CCS-UFSCar -

Propor uma nova leitura do poema "Nênia à morte do meu bom amigo o Dr. Francisco Bernardino Ribeiro", de Firmino Rodrigues Silva (1815-1879), considerado um dos primeiros autores de feição indianista, é a proposta do livro "O poeta sem livro e a pietà indígena", de Wilton José Marques, docente do Departamento de Letras (DL) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). "Procuro rediscutir a importância do poema para a literatura brasileira e apresentar também uma nova leitura do texto com o intuito de reintroduzi-lo no cânone romântico", explica Wilton.

O aparecimento da Nênia, em 16 de março de 1841 no jornal O Brasil, fez com que, ao longo do século XIX, Firmino, sem nunca ter publicado um livro de poemas, fosse considerado um dos precursores do indianismo romântico brasileiro. "Mas o poema ficou na incômoda e comum categoria de textos apenas citados, mas nunca lidos. Por isso proponho a leitura dele neste livro levantando a questão se poderia um poeta sem livro ter alguma influência no processo de configuração temática do indianismo romântico", relata o docente.

Wilton diz que, à primeira vista, essa pergunta talvez se revele pretensiosa, no entanto ela se justifica no caso de Firmino que, ao longo da história literária oitocentista, aparece como o autor de um poema que é considerado um dos primeiros de feição indianista, o "Nênia à morte do meu bom amigo o Dr. Francisco Bernardino Ribeiro". "Além de historiar o caminho da crítica oitocentista, uma nova leitura do poema ajudará a repensar sua importância na tradição romântica. A escolha deste texto é, na verdade, uma forma de tentar preencher alguns dos muitos vazios e silêncios da história literária brasileira".

O poema de Firmino focado no livro trata do sofrimento de uma mãe que chora o filho morto - ela é uma índia chamada Niterói - representada no texto tanto como a mãe do morto como também a mãe dos brasileiros, ou seja, é uma das primeiras representações literárias do nacionalismo romântico. Firmino Rodrigues Silva (1815-1879) foi jornalista e panfletário de grande destaque nos quadros do Partido Conservador e que, mais tarde, seria juiz, deputado e, finalmente, senador do Império.

O livro já está disponível e pode ser adquirido pelo site da Editora da Unicamp, www.editoraunicamp.com.br. Na segunda quinzena de abril, ele deverá ser lançado oficialmente na UFSCar, ainda sem data definida.

Wilton José Marques

O autor do livro "O poeta sem livro e a pietà indígena possui graduação em História pela Unicamp (1993), mestrado em Teoria e História Literária pela Unicamp (1996) e doutorado em Letras (Literatura Brasileira) pela USP (2002). É professor associado de Literatura Brasileira e Teoria Literária do DL da UFSCar, do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Literatura da UFSCar e professor credenciado no Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Unesp de Araraquara. Em 2011, recebeu o prêmio Jabuti na categoria Crítica e Teoria Literária pelo livro Gonçalves Dias: o poeta na contramão (EDUFSCar: 2010). Posteriormente, publicou onze verbetes no Le dictionaire universel des creatrices (Éditions Des Femmes, 2013) e, mais recentemente, O poeta do lá (EdUFSCar: 2014). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos temas: Gonçalves Dias, Romantismo brasileiro, Machado de Assis e Realismo brasileiro. Atualmente, trabalha em duas pesquisas que tratam das recentes descobertas de textos inéditos de Machado de Assis e José de Alencar.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias