Menu
domingo, 26 de setembro de 2021
Instituto de Física no sistema

USP São Carlos passa a integrar o Sistema Nacional de Laboratórios de Fotônica

O fundamento para a criação desta rede é de incentivar ainda mais as pesquisas nas áreas de Óptica e Fotônica

02 Ago 2021 - 07h48Por Redação
USP São Carlos passa a integrar o Sistema Nacional de Laboratórios de Fotônica - Crédito: Divulgação Crédito: Divulgação

Fundamento para a criação desta rede é de incentivar ainda mais as pesquisas, universalizando a infraestrutura existente na instituição de ensino

Através da chamada pública realizada em março do corrente ano do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), A Universidade de São Paulo (USP) foi selecionada a integrar o Sistema Nacional de Laboratórios de Fotônica (SISFOTON), dentre quarenta propostas apresentadas.

Cada universidade teve direito a apresentar uma proposta, sendo que a Universidade de São Paulo apresentou a proposta de criação do Laboratório de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo em Tecnologias Fotônicas, envolvendo cerca de quarenta pesquisadores oriundos de diversas instituições da USP, e que se dedicam à área de Fotônica, sob a supervisão dos Profs. Vanderlei S. Bagnato e Cléber R. Mendonça, ambos pesquisadores do IFSC/USP.

O fundamento para a criação desta rede é de incentivar ainda mais as pesquisas nas áreas de Óptica e Fotônica, universalizando a infraestrutura existente na USP, ou seja, disponibilizando todos os equipamentos existentes para um maior número de cientistas oriundos não só de instituições públicas, como privadas, com destaque para as empresas que desenvolvem pesquisa e desenvolvimento nesta área do conhecimento.

Tendo como base a cedência de todos os equipamentos por cerca de 30% de seu funcionamento total, os pesquisadores de excelência internacional na área, com cerca de quarenta anos de atuação, permitirão o reforço no desenvolvimento de tecnologias e aplicações de materiais em diversas linhas de pesquisa, como, biofotônica, óptica não-linear, nanotecnologia e aprendizagem de máquina, entre outras. Nossa equipe possui uma grande experiência e infraestrutura ágil para formalização de parcerias institucionais com universidades e empresas, para pesquisa colaborativa em projetos, ou como prestação de serviços. Fazem parte da Proposta os seguintes laboratórios;

- Laboratório de apoio tecnológico – IFSC USP

- Laboratório de microscopia Raman, SNOM e AFM – IFSC USP

- Laboratório de microscopia óptica confocal de fluorescência – IFSC USP

- Laboratório de biofotônica para cultura de células – IFSC USP

- Laboratório de biofotônica para cultivo e estudo de microrganismos – IFSC-USP

- Laboratório de instrumentação e desenvolvimento – IFSC – USP

- Laboratório de espalhamento de luz e átomos frios – IFSC-USP

- Laboratório de gases quânticos – IFSC – USP

- Laboratórios de aplicações ópticas em agricultura – IFSC-USP

- Laboratório de nano-fármacos e foto-fármacos – IFSC-USP

- Laboratório de síntese de fotossensibilizadores – DQ- UFSCAR

- Laboratório de metrologia de tempo e frequência – Relógio Atômico e MASER – IFSC-USP

- Laboratório de óptica oftálmica – IFSC – USP

- Laboratório de ensaios ópticos interferométricos – OCT – IFSC-USP

- Laboratório de óptica não-linear – IFSC USP

- Laboratório de microfabricação e nanoestruturas – IFSC USP

- Laboratório de instrumentação óptica aplicada a oftalmologia e a agricultura – IFSC USP

- Oficina de óptica – IFSC USP

- Laboratório de e metrologia de tempo e frequência – IFSC USP

- Laboratório de sensores ópticos e robótica – EESC USP

- Laboratório de medidas ópticas e ultravioleta – FFCL – USP – Ribeirão Preto

A USP junta-se, assim, às outras sete instituições de pesquisa que foram igualmente selecionadas para este projeto e passará a oferecer os seguintes serviços:

  • Espectroscopia linear, não linear e resolvida no tempo para a caracterização de novos materiais fotônicos na região espectroscópica do ultravioleta, visível, e infravermelho, incluindo as janelas terapêuticas e telecomunicações;
  • Serviços de fabricação de lentes, espelhos dielétricos e metálicos, filtros de absorção e filme finos, elementos ópticos refrativos, divisores de feixe ópticos;
  • Corte, polimento e lapidação de vidros ópticos;
  • Evaporação de materiais dielétricos e metálicos;
  • Técnicas de microfabricação a laser de materiais fotônicos em escalas nanométricas a micrométricas e suas caracterizações ópticas visando aplicações em telecomunicações e fotônica;
  • Técnicas de processamento a laser de materiais fotônicos visando alterações pontuais das estruturas químicas e assim suas propriedades elétricas, ópticas e químicas para aplicações em dispositivos fotônicos e de catálise voltadas ao meio ambiente;
  • Desenvolvimento de plataformas de Lasers aleatórios para fontes de luz em dispositivo fotônicos e sensores;
  • Desenvolvimento de plataformas LIBS (Laser induced breakdown spectroscopy) com lasers de femtossegundos e de alta taxa de repetição;
  • Nanofabricação, por exemplo, de materiais semicondutores para micro e nanoeletrônica;
  • Obtenção de imagens multiespectrais no visível e utilizando-se o sistema de aquisição de imagens do tipo tomografia de coerência óptica - OCT de domínio espectral;
  • Medidas de irradiância, absorção, fluorescência e espectro na região do UV, visível e infravermelho próximo;
  • Medidas de microscopia óptica de transmissão, fluorescência e Raman;
  • Caracterização óptica de equipamentos;
  • Aferição de potência óptica de fontes de luz (UV-VIS-NIR, contínuo);
  • Análise de microscopia confocal de fluorescência;
  • Análise de microespectroscopia Raman;
  • Espectroscopia UV-VIS, de Fluorescência e FTIR;
  • Prototipagem de equipamentos ópticos nas áreas da saúde;
  • Testes de nanopartículas;
  • Síntese de nanopartículas;
  • Testes com sensores;
  • Caracterização de nanomateriais;
  • Medidas de índice de refração, por exemplo, para a identificação das contribuições térmica e eletrônica de materiais dopados com íons emissores visando o desenvolvimento de novas tecnologias;
  • Espectroscopia óptica não linear de materiais (e de novos materiais), por exemplo, por meio de aplicações de pulsos de femtossegundos para o processamento de materiais;
  • Determinação de espectro de absorção, transmitância e fluorescência de materiais, por exemplo, para a determinação de propriedades óticas não lineares por meio de varredura-z, controle coerente da fluorescência excitada via absorção de dois fótons em misturas de compostos orgânicos, bem como, para análises de lentes solares;
  • Desenho óptico de sistema integrados e de componentes individuais.

Caracterização e Síntese de moléculas fotoativas. (Rui Sintra - jornalista - IFSC/USP)

Comments system Cackle

Leia Também

Últimas Notícias