sexta, 01 de julho de 2022
Profissionais e estudantes de todo o Brasil

Projeto de pesquisa do HU é premiado em evento internacional da área de Fisioterapia

Mais nove estudos foram apresentados durante o simpósio e abordam, entre outros temas, a Covid-19

16 Mai 2022 - 07h04Por Redação
Participante e pesquisadora em sessão de telerreabilitação - Crédito: Arquivo pessoalParticipante e pesquisadora em sessão de telerreabilitação - Crédito: Arquivo pessoal

Entre os dias 27 e 30 de abril foi realizado o XX Simpósio Internacional de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (SIFR), em Florianópolis (SC). O SIFR é considerado o maior evento mundial nas áreas de Fisioterapia Respiratória, Cardiovascular e em Terapia Intensiva, e reuniu profissionais e estudantes do Brasil e de outros países para atualização técnico-científica e troca de experiências. Dentre os diversos trabalhos apresentados no Simpósio, dez foram projetos de pesquisa desenvolvidos no Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos (HU-UFSCar/Ebserh). Um deles, inclusive, foi premiado com o segundo lugar no "Prêmio Fisioterapia na Covid-19" e abordou a telerreabilitação cardiopulmonar após a alta hospitalar em pacientes que tiveram a doença.   A pesquisa premiada teve como objetivo verificar a eficácia de um programa de telerreabilitação cardiorrespiratória, em pacientes após a hospitalização por Covid-19, segundo a capacidade física e força muscular periférica. "Mesmo após a alta hospitalar, alguns pacientes continuaram apresentando comprometimentos que resultam em prejuízo na capacidade física funcional e piora na qualidade de vida", relata Valéria Pires Di Lorenzo, docente do Departamento de Fisioterapia (DFisio) da UFSCar e coordenadora da pesquisa. O estudo acompanhou 57 pacientes que apresentaram capacidade física reduzida e foram inseridos em um programa de telerreabilitação. Desse total, 29 participantes integraram o grupo de orientação e receberam uma cartilha educativa e indicação de atividade física, de três a cinco vezes na semana, para realizarem sozinhos. Os 28 pacientes do grupo de tratamento receberam atendimento por vídeochamada com fisioterapeutas. três vezes por semana, durante oito semanas. Após oito semanas, ambos os grupos foram reavaliados. De acordo com a docente, os resultados do estudo mostraram a importância da avaliação da capacidade física funcional dos pacientes após a alta hospitalar, no sentido de identificar aqueles que precisavam de reabilitação. "O estudo destaca, também, que a telerreabilitação, em um momento em que o afastamento social pela pandemia da Covid-19 era exigido, foi uma técnica viável, segura e permitiu acompanhar e atender os pacientes que precisavam de reabilitação para melhora da capacidade física", explica. Para Valéria Di Lorenzo, a premiação durante o Simpósio foi um reconhecimento do trabalho da equipe envolvida com a pesquisa. "Além disso, sermos premiados no maior evento mundial em Fisioterapia Cardiorrespiratória, nos permitiu divulgar as evidências científicas na área", celebra a coordenadora do estudo. A realização da pesquisa teve colaboração da professora Aparecida Maria Catai, também docente do DFisio, foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e contou com a parceria do Laboratório de Fisioterapia Cardiovascular da UFSCar e do Hospital Universitário. Pesquisa no HU Para Renata Vanelli, chefe do Setor de Gestão de Pesquisa e Inovação Tecnológica em Saúde da Gerência de Ensino e Pesquisa (GEP) do HU, a apresentação de estudos que estão sendo desenvolvidos no Hospital, e a premiação de um deles, mostra a qualidade desses projetos de pesquisa. Além disso, ela aponta que o incentivo à pesquisa no HU corrobora com a função do Hospital na formação de profissionais e na excelência do atendimento. "O estímulo à pesquisa científica no HU-UFSCar promove o desenvolvimento pessoal, profissional e o pensamento crítico do estudante e do colaborador do HU, fortalecendo a metodologia científica na busca por um cuidado baseado em evidências e a formação desses profissionais para a pesquisa científica", afirma Vanelli. Atualmente, 42 projetos de pesquisa, em diferentes áreas do conhecimento, estão em andamento no Hospital. Renata Vanelli destaca que a GEP atua no apoio e prospecção de novos estudos. "O setor de gestão da Pesquisa no HU-UFSCar visa prospectar estudos científicos de qualidade, apoiando o pesquisador, por meio de diferentes ações e proporcionando um campo adequado de prática de pesquisa", conclui.

Leia Também

Últimas Notícias