Menu
quinta, 22 de abril de 2021
Cidade

Prefeitura promete, em 30 dias, repassar recursos para a creche Padre Teixeira

Anita Costa e Divina Providência, também entidades filantrópicas, necessitam de ajuda municipal para sobreviver

20 Set 2017 - 07h44
Foto: Anderson Lucio - Foto: Anderson Lucio -

A princípio, o impasse envolvendo instituições filantrópicas e Prefeitura Municipal de São Carlos, está solucionado, com a promessa de que, no máximo em 30 dias, os repasses de recursos irão se normalizar e com isso nenhuma entidade filantrópica deixará de atender crianças de famílias carentes de São Carlos.

Pelo menos foi o que ficou caracterizado no final da tarde desta terça-feira, 19, após encontro realizado no paço Municipal entre o diretor de convênios da Prefeitura, Bil Moreira e representantes de instituições filantrópicas que ainda não tiveram os convênios renovados, entre elas as creches Anita Costa, Divina Providência e Centro Promocional de Menores Lar Padre Teixeira, cujas mães, em protesto, realizaram um panelaço no início da tarde de terça-feira, 19, em frente a Prefeitura Municipal com o intuito de alertar a sociedade e sensibilizar as autoridades municipais.

NA PREFEITURA

Durante o panelaço, Bil Moreira e representantes da creche Padre Teixeira estiveram reunidos. Na pauta, a renovação da parceira. A reportagem do São Carlos Agora manteve contato com o construtor Marcos Dias, 49 anos, e que participa das negociações ativamente.

Presente ao encontro, disse que oito instituições no total esperam os repasses municipais. "Cinco já tiveram a parceira renovada e três delas, incluindo a nossa, esperam por esta aprovação. Mas toda a documentação foi entregue no dia 20 de julho, cinco dias antes do prazo final. Entretanto, a primeira parcela que deveria ser repassada no dia 1º de agosto, não foi feita", disse Dias.

Ele informou que as instituições em questão obedecem as determinações do novo Marco Regulatório. "O Bil esclareceu que é vantajoso para a Prefeitura ter entidades filantrópicas parceiras, pois isso significa mais economia para os cofres municipais. Ele disse que os repasses não foram feitos devido um atraso interno, mas que irá encaminhar a solicitação a Secretaria de Fazenda e posteriormente será feita publicação no diário oficial e que em 30 dias tudo será normalizado", disse Dias.

COBRANÇAS

Ainda segundo o colaborador da creche Padre Teixeira uma nova reunião irá acontecer na próxima terça-feira, 26 (em horário a ser definido). Estarão presentes o secretário de Educação, Nino Mengati, o prefeito municipal Airton Garcia (PSB) e representantes das entidades filantrópicas. "Se um encontro onde eles irão se comprometer a cumprir tais promessas".

Ainda Dias, nesta terça-feira, 19, os representantes da creches foram até a Câmara Municipal e aproveitaram o fato de que ocorria sessão ordinária e cobraram dos vereadores mais empenho e postura dos parlamentares.

"Mobilizamos a sociedade e cobramos uma posição clara dos vereadores na Câmara Municipal e que eles trabalhem junto a Prefeitura para que as instituições filantrópicas tenham os convênios aprovados e que as crianças de famílias carentes possam ser atendidas", finalizou.

DOADORES

Como as entidades então sem repasses devido ao atraso no repasse confirmado por Bil Moreira, nos meses de agosto e setembro, Dias disse que a creche Padre Teixeira sobreviveu de doadores.

"Em agosto foram arrecadados R$ 30 mil junto a muitos doadores. E o dinheiro serviu para pagar a folha de pagamento e fornecedores neste mês de setembro. Nos próximos dias vamos fazer nova campanha para quitar as dívidas de outubro. Caso os repasses estiverem em ordem, não havia necessidade de bancar a creche por dois meses", enfatizou Dias, salientando que a presidente Tereza Hiato tem sido uma grande colaboradora.

SENTIMENTO PÉSSIMO

O SCA ouviu ainda a faxineira Silane Cristina Marcelino da Silva. Ela tem um filho que hoje tem 2 anos e 2 meses e que frequenta a Creche Padre Teixeira. Quando teve a notícia que a instituição poderia fechar, disse que perdeu o chão.

"Nossa. O sentimento foi péssimo. Meu filho fica na creche desde os 8 meses e sempre foi muito bem tratado. Quando recebi o aviso que ela poderia fechar, me senti péssima. Chorei, pois eu e meu marido trabalhamos e não temos onde deixar nosso filho. Mas agradeço a Deus por tudo estar solucionado e a creche não correr risco de fechar. Ali, todas as pessoas tratam com carinho e amor os nossos filhos e fiquei feliz em saber que tudo vai continuar como antes", disse Silane.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias