sexta, 19 de agosto de 2022
Crise na saúde

Mulher na UPA Vila Prado aguarda por vaga em unidade psiquiátrica, afirma familiar

Funcionários da unidade afirmam que unidade não possui profissionais suficientes para atender demanda

02 Ago 2022 - 08h25Por Marcos Escrivani
Mulher na UPA Vila Prado aguarda por vaga em unidade psiquiátrica, afirma familiar - Crédito: divulgação Crédito: divulgação

De um lado, uma paciente em surto psicótico que espera transferência para uma unidade psiquiátrica desde domingo; de outro lado, funcionários alegam que não há profissionais suficientes para atender a demanda. Essa é a crise instalada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Prado.

Na manhã desta terça-feira, 2, o São Carlos Agora recebeu duas denúncias consideradas alarmantes, já que uma delas são do familiar de uma mulher que estaria em surto psicótico e segundo eles, a unidade não teria suporte para atender a paciente que não conseguiu ainda uma vaga para internação em  uma unidade psiquiátrica.

Familiares afirmaram que a mulher não se alimenta e não bebe desde domingo e segundo um médico que a teria atendido, a perspectiva é que ela continue por mais cinco dias no estado em que se encontra e adiantou que a UPA não seria o local ideal para ela.

Paralelamente um funcionário da unidade da Vila Prado entrou em contato com o portal e pediu para não se identificar, temendo represálias e pediu ajuda.

Em sua denúncia, admite que a UPA não possui funcionários suficientes para assumir o plantão e tal fato seria “proposital”, pois garantiu que foi mantido Omesc (Organização Social de Medicina e Educaçã) e teriam tirado sem justificativas, profissionais da enfermaria e do administrativo.

“Não temos funcionários para preencher exames, averiguar se ficou pronto, atualizar CROSS, entre outros. Se sai vaga de internação ninguém vê porque não tem funcionário. Coleta de sangue fica lá até ter alguém parar e preencher para o laboratório levar”, afirmou o denunciante. “Funcionários que pediram a conta, a Prefeitura repôs. Porém, tiraram daqui e não pode colocar extra, porque não tem justificativa, já que a Prefeitura contratou e a direção mandou para outra unidade”, finalizou.

Nota da Prefeitura Municipal

A Prefeitura Municipal informou através de nota que a paciente foi inserida na sistema Cross no dia 01/08 às 12:58, e aguarda leito psiquiátrico. Informou ainda que a regulação de vagas e realizada pelo sistema do Estado e os hospitais estão com superlotação. Paciente estável, aguardando transferência.

Leia Também

Últimas Notícias