quinta, 19 de maio de 2022
Sensação de dor

Estudo da UFSCar avalia fatores relacionados à dor no parto vaginal

Expectativa é elaborar diretrizes aplicadas à prática de profissionais que prestam assistência a gestantes e parturientes

26 Jan 2022 - 07h35Por Redação
Questionário aborda experiências no trabalho de parto e parto vaginal - Crédito: FreepikQuestionário aborda experiências no trabalho de parto e parto vaginal - Crédito: Freepik

Uma pesquisa de Iniciação Científica (IC), desenvolvida no curso de Fisioterapia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), está buscando voluntárias que estejam no pós-parto (até seis meses) de parto vaginal. O objetivo do estudo é verificar o que influencia a sensação de dor durante o parto em mulheres que tiveram parto vaginal e identificar o que pode contribuir para uma melhor satisfação com o parto. As participantes deverão apenas responder um questionário online, com duração média de 15 minutos.  O trabalho é feito pela graduanda em Fisioterapia Alice Moralez de Figueiredo, sob orientação de Patricia Driusso, docente do Departamento de Fisioterapia (DFisio) da UFSCar, e coorientação de Ana Carolina Sartorato Beleza, também professora do DFisio, e da doutoranda Jordana Barbosa da Silva, do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia (PPFt). De acordo com Figueiredo, "a análise de fatores preditores relacionados à experiência e à dor durante o trabalho de parto e parto vaginal de mulheres brasileiras pode contribuir para a elaboração de novas diretrizes relacionadas à prática clínica de profissionais de saúde que prestam assistência a gestantes e parturientes, uma vez que algumas ações e características associadas positiva ou negativamente à experiência da dor poderiam ser avaliadas e modificadas previamente, por meio da educação em saúde".  Atualmente, a taxa de cesárea no Brasil é de 55%, número que excede as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), que considera ideal a taxa de cesárea entre 10 e 15%. Conforme relata Alice Figueiredo, diversos fatores podem interferir na redução dos índices de parto vaginal e aumento da taxa de cesarianas, sendo eles o medo do parto vaginal, estresse durante a gestação, falta de suporte social, depressão e ansiedade. "Dentre esses fatores, destaca-se a dor, presente no momento do trabalho de parto e durante o parto vaginal", completa. Diante disso, a expectativa é comprovar que há fatores associados à satisfação e à dor relacionados ao trabalho de parto e parto vaginal. "Com os resultados, nossa intenção é contribuir na elaboração de novas diretrizes para a prática clínica de profissionais de saúde que prestam assistência a gestantes e parturientes", afirma a graduanda da UFSCar. Para realizar o estudo, estão sendo convidadas mulheres que estão no pós-parto vaginal, no máximo há seis meses, de qualquer idade e região do País. As interessadas precisam apenas responder este questionário online (https://bit.ly/questionarioparto) até o mês de abril. 

Leia Também

Últimas Notícias