Menu
quinta, 28 de outubro de 2021
Agropecuária

Aplicações da ciência no agro motivam estudantes de escolas públicas de São Carlos

29 Mai 2019 - 15h19Por Redação
Aplicações da ciência no agro motivam estudantes de escolas públicas de São Carlos - Crédito: Ana Maio Crédito: Ana Maio

Em 2001, Andrey Coatrini Soares, cursando o antigo segundo colegial em uma escola pública, acompanhava com olhos e ouvidos atentos as palavras do pesquisador Luiz Henrique Capparelli Mattoso que viria a ser, 18 anos mais tarde, o seu supervisor no pós-doutorado. A fala sobre a ciência do pequeno, que calcula tudo em milionésimos de milímetros, batizada de nano, encantou Soares e foi determinante para a escolha da carreira de cientista.

O físico de formação é um dos exemplos da importância da interação de estudantes com os conceitos da física, química, das aplicações da ciência e da tecnologia, impactos e contribuições na área agrícola, proporcionados pelo Programa Embrapa & Escola. Criado em 1997, o programa busca aproximar cientistas, estudantes e professores para estimular nos jovens o interesse pelo conhecimento científico.

Os tempos mudaram e os hábitos também, mas assim como Soares se encantou  anos atrás,  os estudantes de hoje, pertencentes à era digital,  que fazem do mouse a extensão da mão, também se empolgaram na semana passada toda com o que viram, sentiram e tocaram durante mais uma edição do Embrapa & Escola. Nos laboratórios da Embrapa Instrumentação e campos da Embrapa Pecuária Sudeste, em São Carlos (SP), 674 estudantes da rede pública de ensino vivenciaram experiências similares às de quase duas décadas.

“Esse é o nosso objetivo com o Embrapa & Escola, estimular os jovens para conhecer o mundo fascinante da ciência. Se quisermos ser um País de primeiro mundo, precisamos investir em ciência e educação”, sugere Mattoso.

“O que vi aqui dentro anos atrás foi decisivo para a minha formação de pesquisador. Agora volto para desenvolver pesquisas à base de nanotecnologia, que facilitem a vida do homem do campo que trabalha com a pecuária leiteira”, diz Soares, cientista reconhecido pela comunidade acadêmica com o Prêmio Tese Destaque USP 2018 e com o Prêmio CAPES de Tese 2018 e Grande Prêmio CAPES de Tese 2018.

Mattoso falou do conceito que envolve nanotecnologia, demonstrou exemplos das aplicações desta ciência, como os filmes comestíveis, desenvolvidos à base de frutas e hortaliças - mamão, maracujá, beterraba, menta e baunilha. O material pode embalar alimentos e, de quebra, dá um toque no tempero.

Além da palestra, os estudantes do 7º e 8º ano do ensino fundamental e do 1º ano do ensino médio de escolas municipais e estaduais visitaram os laboratórios de processamento de materiais nanoestruturados, o de microscopia eletrônica de varredura e o de síntese de materiais nanoestruturados, onde tiveram mais contato com a nanotecnologia. Também fizeram experimentos com borracha, isopor e cola.

A analista Silviane Hubinger, responsável por uma das experiências realizadas com os alunos,  disse que a experiência foi rica para os dois lados: os estudantes puderam vivenciar o aprendizado e conhecer possíveis profissões que poderão escolher no futuro; a Embrapa teve a oportunidade de se relacionar com as escolas e mostrar parte de suas pesquisas para a sociedade.

No campo, os estudantes conheceram procedimentos de coleta automática de dados dos animais identificados com brincos e chips, como são manejados de forma racional, como alguns equipamentos fornecem alimentos de forma automática e medem a emissão de gases de efeito estufa, como os animais que vivem num sistema integrado com lavoura, pecuária e floresta são monitorados por sensores e como funciona o sistema de produção de leite. Além disso, se familiarizaram com conceitos e práticas da conectividade no campo.

“Falar para crianças e adolescentes é um exercício muito rico, pois é necessário transformar informações complexas em simples. Elas são puras e fazem perguntas muito instigantes, que podem até estimular novas pesquisas. É um público muito especial para a empresa, uma geração que tem nas mãos a responsabilidade de construir um futuro cada vez mais sustentável”, explicou Alexandre Berndt, chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Pecuária Sudeste.

A pesquisadora Teresa Cristina Alves, que recebeu o grupo no sistema de leite da Embrapa Pecuária Sudeste, disse ser “muito gratificante matar a curiosidade dos alunos e saber que, de alguma forma, a gente contribui para o conhecimento sobre ciência e o agro”, afirmou.

EXPERIÊNCIA ALÉM DA SALA DE AULA

“É muito diferente do que temos na escola e muito importante para o nosso projeto de vida ver o quanto a ciência e a tecnologia estão presentes no nosso dia a dia”, disse a estudante do 1º ano do ensino médio, de uma escola pública de São Carlos, Julia Bernardeli.

E até quem não podia ouvir se interessou. Deficiente auditivo, Matheus Henrique Ferreira teve o apoio da intérprete de Libras Viviane Saladino para traduzir, em sinais, o que era falado e demonstrado nos laboratórios. “Das três experiências, o que mais gostei foi fazer slime (geleca) com cola branca, solução de água boricada e bicarbonato de cálcio”, afirma o estudante do 8º ano de uma escola municipal do ensino básico.

O aluno Richard Gabriel Filomeno, do 7º ano da escola municipal Dalila Galli, disse que gostou de visitar a fazenda da Embrapa. “Eu aprendi que dá para saber quanto o gado comeu, quanto ele pesa, quando ele nasceu, quem são o pai e a mãe dele. E também que é um animal bem curioso”, contou.

Para a professora Josiane Rodrigues, o Embrapa & Escola oferece uma oportunidade ímpar de mostrar aos estudantes o que a cidade tem de melhor e que pode estimular a formação acadêmica deles. “Eles ficaram fascinados. Os alunos acham que a internet oferece tudo o que precisam, mas aqui observaram que não é bem assim”, diz a educadora do 1º ano do ensino médio de uma escola estadual.

PARCERIA INÉDITA

As ações do Embrapa & Escola deste ano foram executadas graças a uma parceria inédita com a Câmara Municipal, Diretoria Regional de Ensino, Secretaria de Educação da Prefeitura de São Carlos e a uma emenda parlamentar do vereador Luis Enrique Paulino Carmelo (Kiki), no valor de R$ 31.981,50.

"Faz muito sentido para essas crianças. Elas passam a entender que o que veem em lousa, na sala de aula, tem uma aplicação direta. Isso faz com que até a motivação para o estudo aumente significativamente", afirmou. Kiki esteve nas duas Unidades da Embrapa para acompanhar o trabalho.

O secretário municipal de Educação Nino Mengatti também esteve nos dois centros de pesquisa. Segundo ele, a experiência proporcionada pelo Embrapa & Escola aos alunos deverá se tornar uma atividade permanente. “É um aprendizado imenso. Quero tornar essa atividade em uma ação permanente, uma política pública”, afirmou.

Comments system Cackle

Leia Também

Últimas Notícias