Menu
terça, 19 de janeiro de 2021
Brasil

Manifestações de policiais civis e delegados paulistas não devem trazer prejuízos à população, diz secretário

26 Jul 2013 - 09h12
0 - 0 -

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, disse ontem (25) durante entrevista à imprensa na sede da secretaria, no centro da capital paulista, que as manifestações de delegados e policiais civis marcadas para a próxima segunda-feira (29) não devem trazer problemas para a população.

"Respeitamos todo tipo de manifestação. Não acredito que esta manifestação possa trazer prejuízos. Quero crer que as autoridades responsáveis pelos departamentos e pelas unidades policiais vão assegurar que não haja prejuízos à população. Acreditamos no bom-senso para que não haja prejuízos", disse o secretário.

A Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp), o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) e outras entidades e associações agendaram duas manifestações para a próxima segunda-feira (29). Na primeira delas, delegados e policiais civis de todo o estado vão paralisar as atividades pelo período de duas horas, entre as 10h e as 12h. Durante a paralisação, as delegacias estarão abertas, mas não vão atender ao público.

O movimento, segundo a Adpesp, é de protesto contra as péssimas condições de trabalho e também em repúdio contra "a arbitrariedade e escracho ao qual a categoria foi submetida com o episódio da prisão dos delegados do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc)". O segundo ato será uma marcha, que sairá às 14h da Galeria do Conjunto Cinerama, na Avenida Ipiranga, no centro da capital, com destino à sede da Procuradoria-Geral de Justiça, na Rua Riachuelo, também no centro da capital, onde acontecerá o ato de repúdio.

Entre as reivindicações, segundo as entidades, estão a reestruturação da Polícia Civil com carreira jurídica para delegados, nível universitário para investigadores e escrivães e recomposição salarial.

Para o secretário, o fato de dois dos dez policiais civis do Denarc, que são investigados pelo Ministério Público e pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil por suspeita envolvimento com o tráfico de drogas, terem sido soltos esta semana, não indica que eles sejam inocentes ou que houve falhas na operação, que foi desencadeada no dia 15 de julho.

"Estamos dando todo o apoio a essa investigação, que está sendo desenvolvida pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) e pelo Ministério Público. Só queria destacar que a prisão temporária é uma prisão para investigação. O fato de a prisão temporária não ter sido prorrogada ou de ter sido relaxada, não significa atestar a isenção de culpa ou de que não haverá denúncia ou de que não vai haver prisão preventiva. Ela tem uma finalidade, que é facilitar a investigação", disse o secretário. "Não é algo que está sendo conduzido por nós (sobre a investigação), mas estamos apoiando. Quero reafirmar nosso compromisso no combate à corrupção. Não estamos varrendo nada para debaixo do tapete", completou.

Para o secretário, não houve excessos nas prisões dos policiais civis, já que elas foram feitas em cumprimento a uma ordem judicial. "A prisão decorreu de uma ordem judicial. Foi o juiz que mandou prender e foi ele que relaxou a prisão. Se houvesse excesso, teria partido do juiz e não acredito [nisso]", declarou.

Segundo a Corregedoria da Polícia Civil, dos 13 policiais investigados pelo Ministério Público, oito permanecem sob custódia, dois foram libertados por força do cumprimento do alvará de soltura e três ainda permanecem foragidos.

O secretário também comentou sobre o indiciamento ontem (25) de 14 policiais pela Corregedoria da Polícia Militar que são acusados de agressão, tortura e abuso sexual contra moradores de São José dos Campos (SP) em janeiro do ano passado, quando houve reforço no patrulhamento da cidade por causa da desocupação de milhares de famílias que viviam em uma área da cidade conhecida como Pinheirinho.

Mesmo passado um ano e meio do fato, para o secretário, não houve demora na apuração do caso e no indiciamento dos policiais. "Não houve demora porque estamos sujeitos a cumprir a lei. E há uma série de providências e de procedimentos, e a investigação decorreu nos termos da lei. O resultado dessa investigação vemos com absoluta tranquilidade. O comando não compactua com desvios de conduta. Foi a própria corregedoria que conduziu a investigação e que chegou a essa conclusão", disse o secretário, acrescentando que, só este ano, 149 policiais militares foram presos e 55 expulsos, após apuração da corregedoria.

 

 

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias