Menu
segunda, 18 de junho de 2018
Colunistas

QUALIDADE DE VIDA: Incentivadores Respirátorios

07 Mar 2018 - 06h51Por (*) Paulo Rogério Gianlorenço
Foto: Divulgação - Foto: Divulgação -

Olá, na coluna desta semana venho apresentar alguns aparelhos que muitas pessoas podem se beneficiar com essa terapia (tratamento), principalmente os portadores de DPOC (DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRONICA) e outras doenças pulmonares, doenças neuromusculares, presença de alterações diafragmáticas, pós-operatório de cirurgias torácicas e abdominais.

Os incentivadores são exercitadores respiratórios que têm como objetivo reexpansão pulmonar, aumento da permeabilidade das vias aéreas e fortalecimento dos músculos respiratórios.
Esses exercitadores ou incentivadores respiratórios são recursos mecânicos da Fisioterapia respiratória, normalmente destinados a auxiliar o desempenho muscular respiratório e a eficiência do trabalho mecânico da ventilação pulmonar, proporcionando aumento da oxigenação arterial.

Normalmente, esses incentivadores respiratórios caracterizam-se por serem equipamentos portáteis, em geral de plástico ou material semelhante, e de baixo custo.
São de fácil manuseio, e podem ser utilizados tanto em adultos como em crianças, todos os incentivadores respiratórios fundamentam-se no oferecimento de uma resistência (carga) à respiração espontânea do paciente. Essa resistência pode ser exercida por carga pressórica alinear ou por carga pressórica linear.

Incentivadores Respiratórios de Carga Pressórica Alinear, apresentam uma resistência desconhecida, durante o ciclo respiratório, pois não há conhecimento prévio da força a ser exercida pela musculatura do paciente, porém alguns aparelhos fornecem escalas de fluxo ou volume.

Incentivadores Respiratórios de Carga Pressórica Linear, são considerados fluxo-dependentes, pois o fluxo de ar só é gerado quando uma pressão inspiratória é realizada pelo paciente. Possuem uma mola (spring loaded) ou por sistema de peso. 
Incentivadores Inspiratórios, lançado em 1976 é uma modalidade de terapia respiratória profilática, segura e eficiente, porém não deve substituir qualquer técnica.
TIPOS
Fluxo: São mais baratos, porém durante a sua utilização a tendência é que ocorra um fluxo turbilhonar, o que pode gerar mais trabalho ventilatório para o paciente. Fluxo turbulento inicial, alteração no trabalho ventilatório, alterando o padrão de ventilação.
Volume: São mais caros, durante a sua utilização, o fluxo é menos turbilhonar, se comparado aos incentivadores a fluxo, o que gera menos trabalho ventilatório e altera menos a biomecânica ventilatória do paciente. Volume de treinamento constante até atingir a capacidade inspiratória máxima ou nível pré fixado pelo terapeuta.

Segue alguns aparelhos para conhecimento de todos.

RESPIRON
O RESPIRON foi desenvolvido especificamente para prevenção de infecções pulmonares em geral, sendo um incentivador a fluxo, o qual é variável em função do tempo de incentivo. Trabalha uma respiração sustentada máxima, em que o paciente deve inspirar para que as três bolinhas do aparelho subam entre 5 a 10 segundos.
Incentivando o usuário a realizar inspirações forçadas e profundas, o aparelho facilita a ventilação das áreas comprometidas pela atelectasia (áreas pulmonares não ventiladas), impedindo a obstrução dos bronquíolos e distendendo os alvéolos pulmonares. 
Como a utilização do RESPIRON causa um efeito visível (a elevação das 3 esferas contidas no aparelho) há um componente lúdico no exercício que representa um desafio para o usuário: conseguir elevar as 3 esferas e mantê-las elevadas por alguns instantes. Há, portanto um incentivo para o paciente, o que justifica a expressão "respirador de incentivo".
O RESPIRON é um aparelho de baixo custo, de fácil utilização e de eficácia cientificamente comprovada, igual ou superior a de equipamentos muito mais caros e sofisticados. Não é propriamente "descartável", pois pode ser usado muitas vezes, mas é de "uso individual", isto é, não deve ser utilizado por mais de uma paciente. 
Em casos de cirurgia, inclusive, recomenda-se que o paciente leve o aparelho ao deixar o hospital para prosseguir em casa com os exercícios respiratórios.

Acapella.

O Acapella combina os benefícios da terapia PEP e vibração das vias aéreas para a mobilização de secreções e seu exclusivo (design) permite ser utilizado em qualquer posição espacial oferecendo total liberdade para o paciente sentar-se, reclinar-se ou mesmo deitar-se.

Agora, qualquer paciente desde os pediátricos mais ativos até pacientes acamados poderão se beneficiar da terapia de higiene brônquica. O Acapella melhora a desobstrução das secreções e facilita a abertura de vias aéreas em pacientes com doenças pulmonares e problemas de secreções (DPOC, Asma, Fibrose Cística). Realiza a limpeza efetiva do muco e auxilia a remover secreções prejudiciais das vias aéreas

Uso em pacientes com baixos fluxos expiratórios o Acapella pode ser usado em pacientes com baixos fluxos expiratórios beneficiando principalmente crianças, idosos ou doentes crônicos.

Benefícios: Permite acomodar-se virtualmente a qualquer paciente requerendo menor esforço para ativação da PEP terapia vibratória

Melhor coordenação pelo paciente: permite a inspiração e expiração sem remover o bocal ou máscara, permite a conexão com bocal, máscara e associação com nebulizador.

Permite a prescrição de medicação em aerossol enquanto desempenha PEP terapia vibratória para desobstrução de secreções e atelectasias.

Permite a aplicação virtualmente em qualquer posição libertando o paciente para sentar-se, reclinar-se ou deitar-se. Melhora a coordenação para pacientes menos colaborativos (pediátricos ativos e geriátricos).

Permitem adequar diferentes níveis de PEEP e freqüência vibratória de acordo com as necessidades individuais de cada paciente.

Uso em pacientes com baixos fluxos expiratórios: o Acapella pode ser usado em pacientes com baixos fluxos expiratórios beneficiando principalmente crianças, idosos ou doentes crônicos.

Uso simultâneo com nebulização: pode ser utilizado simultaneamente com a nebulização, pois possui uma válvula bidirecional que permite ao paciente inspire e expire através do dispositivo. Isso aperfeiçoa a eficácia da medicação.
Uso com bocal ou máscara: pode ser usado com bocal ou máscara, possibilitando o uso naqueles pacientes menos colaborativos e com dificuldade de compreensão da terapia.
Freqüência e resistência de terapia ajustáveis:
através de um botão rotativo, o Acapella permite modular a freqüência e resistência do dispositivo, customizando o exercício respiratório. Além disso, permite adicionar monitor de pressão.

Flutter.

Equipamento composto por um dispositivo em forma de cachimbo, contendo uma abertura única na peça bucal e uma estrutura arredondada e angulada, coberta por uma tampa com uma série de pequenos furos e armazenando em seu interior uma esfera de aço inoxidável inclusa em um pequeno cone.

Objetivos: Provocar a liberação e fluidificação da secreção, eliminando-a dos brônquios.
Indicações: Pacientes com dificuldades em tossir e ou tosse ineficaz,
Em pacientes acometidos por hipersecreção, atelectasias, pneumopatias crônicas e na presença de secreção espessa.

Contra-indicações: Indivíduos que apresentem tórax doloroso, Casos de edema agudo de pulmão e hemoptise. Não deve ser realizada também quando há ausculta de ruídos sibilantes, indicando broncoespasmo.

Orientação para o paciente pré-procedimento: Informar o motivo e a necessidade do procedimento e sempre que possível pedir a colaboração do mesmo.

Descrição do procedimento: O paciente deve estar sentado, inclinado para frente e com os cotovelos apoiados sobre uma superfície estável. O aparelho deve ser segurado horizontalmente e inclinado levemente para baixo até que o máximo de efeitos oscilatórios seja obtido. A inspiração pode ser feita tanto pelo nariz quanto pela boca e mantida por 3 a 5 segundos, só então o bucal é posicionado e uma expiração em freqüência mais rápida do que a normal deve ser executada através do flutter.
Quando o paciente expira, o movimento da esfera cria uma pressão expiratória positiva de 5 a 35 CMH2O e uma oscilação vibratória do ar dentro das vias aéreas com freqüência aproximada de 8 a 26 Hz.

O paciente pode controlar a pressão alterando seus fluxos expiratórios, enquanto que as oscilações podem ser modificadas pela mudança da inclinação do aparelho.

Shaker

É um aparelho para fisioterapia respiratória, não descartável, para uso individual.

Como Funciona o Shaker: A expiração através do aparelho gera pressão positiva oscilante. O fluxo de ar expirado eleva uma esfera metálica, que volta a cair por ação do seu próprio peso.

A sucessão muito rápida desses eventos (elevação e queda da esfera) faz vibrar o ar no interior do aparelho. Essa vibração se transmite para a caixa torácica e árvore brônquica do paciente mobilizando as secreções e facilitando a expectoração.

Quem deve usar o Shaker: Ele é indicado para situações em que há acúmulo de secreções brônquicas, como bronquites agudas e crônicas de qualquer natureza (asmáticas, tabágicas, etc), pneumonia, atelectasias pulmonares secundárias à obstrução brônquica por secreções, enfisema pulmonar e bronquiectasias. E também importante auxiliar na fisioterapia pré e pós-operatória, pois melhora o funcionamento pulmonar, reduz a dispnéia (falta de ar) e tem ação preventiva auxiliar contra infecções bronco-pulmonares.

Quem não deve usar o Shaker: Pacientes com pneumotórax (presença de ar na cavidade pleural) não devem utilizar este aparelho. Portadores de doenças cardiovasculares graves só deverão utilizá-lo após autorização médica e com acompanhamento profissional.

Como usar o Shaker: Utilize-o sempre na posição sentada ou deitada, pois poderá ocorrer tontura durante o exercício; neste caso interrompa-o e respire, calmamente, pelo nariz. Normalmente o mal estar é rapidamente superado, mas, se o problema persistir, consulte seu médico ou o fisioterapeuta.

Sente-se ou deite-se relaxadamente e segure o aparelho com firmeza, mantendo o bocal na posição horizontal.

Adapte o bocal à boca, de modo que se sinta confortável, Inspire e expire algumas vezes, suavemente, pelo nariz, Inspire mais profundamente pelo nariz (sem exagerar) e expire pela boca, no bocal do aparelho, mantendo-o na posição que propiciar vibrações mais intensas na caixa torácica. Essas vibrações serão facilmente percebidas com uma das mãos espalmada sobre o peito. Intercale respirações suaves pelo nariz (sem o uso do aparelho), para evitar tonturas, Expulse a secreção brônquica (catarro) que se mobilizar durante o exercício, tossindo suavemente e expectorando.

Como Higienizar o Shaker: Após cada sessão de exercícios limpe o aparelho, removendo a umidade que se acumula no seu interior. Além de ser um fator anti-higiênico essa umidade impede a livre movimentação da esfera, diminuindo a intensidade das vibrações. Para limpá-lo retire o bocal, desatarraxe a tampa perfurada e separe as duas peças internas (cone e esfera). Lave todas as partes com água e sabão, seque-as e guarde-as na própria embalagem. Este aparelho pode ser esterilizado pelo calor, suportando temperaturas de até 120º C, mas não deve ficar em contato prolongado com produtos altamente clorados.

Flutter, Shaker, Acapella: (VOLSKO ET AL 2003). CARVALHO 2001 ressalta que a pressão positiva oscilatória, atua promovendo a dilatação dos brônquios até as estruturas periféricas, falicitando o deslocamento do muco e inibindo o colapso precoce brônquico tendo como conseqüência, uma diminuição da resistência respiratória e o aumento do volume de reserva expiratória.

Essa é a dica desses recursos que muitos não conhecem, usem com cuidado e conhecimento, sempre procure um profissional para tirar duvidas.

(*) O Autor é graduado em Fisioterapia pela Universidade Paulista Crefito-3/243875-f Especialista em Fisioterapia Geriátrica pela Universidade de São Carlos e Ortopedia, atua em São Carlos. Dúvidas e Sugestões: paulinhok10@hotmail.com / Facebook Paulinho Rogério Gianlorenço.

Esta coluna é uma peça de opinião e não necessariamente reflete a opinião do São Carlos Agora sobre o assunto.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias