Menu
sábado, 17 de novembro de 2018
Artigo Augusto Fauvel

Dação em pagamento de imóveis com débitos fiscais

10 Nov 2018 - 12h45Por (*) Augusto Fauvel de Moraes
Dação em pagamento de imóveis com débitos fiscais -

Primeiramente cumpre destacar que foi regulamentado através da Portaria 32/18 o procedimento de dação em pagamento de bem imóveis para extinção de débitos, de natureza tributária, inscritos em dívida ativa da União.

Pela norma os débitos inscritos em dívida ativa da União, de natureza tributária, ajuizados ou não, poderão ser extintos mediante dação em pagamento de bens imóveis, na forma e condições estabelecidas nesta Portaria, excluindo os débitos apurados na forma do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições, devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), de que trata a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.

No procedimento, a dação em pagamento de bens imóveis deve abranger a totalidade do débito que se pretende liquidar, e se dará pelo valor do laudo de avaliação do bem imóvel emitido por instituição financeira oficial, devendo o devedor arcará com os custos da avaliação do imóvel.

O requerimento de dação em pagamento será apresentado perante a unidade da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) do domicílio tributário do devedor, a qual determinará a abertura de processo e atendidos os requisitos legais, a unidade descentralizada da PGFN deverá se manifestar sobre a conveniência e oportunidade da dação em pagamento do bem imóvel para a recuperação do crédito tributário inscrito em Dívida Ativa da União e, na hipótese de a manifestação ser favorável, submeter o processo administrativo à apreciação da Coordenação-Geral de Estratégias de Recuperação de Crédito (CGR/PGFN).

Portanto, o procedimento de dação em pagamento regulamentado se mostra uma excelente oportunidade de extinção de débitos fiscais e manutenção de CND e regularidade, evitando assim penhoras e demais atos decorrentes do ajuizamento de execução fiscal.

(*) O autor é advogado, sócio do Escritório Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados, Especialista em Direito Tributário pela Unisul, Pós Graduado em Direito Penal Econômico pela Universidade de Coimbra, MBA em Gestão de Tributos pela Unicep, Presidente da Comissão de Direito Aduaneiro da OAB/SP, Consultor da Comissão de Tributário da OAB/SP, Consultor da Comissão de Direito Aduaneiro da OAB/DF.

Esta coluna é uma peça de opinião e não necessariamente reflete a opinião do São Carlos Agora sobre o assunto.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias