Menu
domingo, 24 de março de 2019
Dia a Dia no Divã

Ano Novo, vida nova?

31 Dez 2018 - 06h00Por (*) Bianca Gianlorenço
Ano Novo, vida nova? -

Chegou o último dia do ano e com ele fechamos um ciclo.

É um bom momento para uma avaliação pessoal, fazer um balanço geral dos erros e acertos, das vitórias e fracassos e das perdas que tivemos. 

A virada no calendário é um ótimo incentivo para começarmos de novo, fazer diferente e essa energia é necessária para termos a sensação de renovação. Só que uma coisa é fato: o ano novo não muda a vida de ninguém. Precisamos mudar juntos, partir para a verdadeira transformação. A mudança vem de dentro para fora. O que vemos exteriormente e acreditamos ser a grande mudança, é na verdade, a transformação interior do sujeito.

A tão almejada transformação depende de cada um.

Estatísticas mostram que 95% das pessoas que fizeram uma promessa ou resolução de fim de ano desistem até o dia 15 de janeiro. Isso mesmo, apenas duas semanas depois do ano novo ele já se parece com o velho.

Quando as dificuldades aparecem, é justamente quando desistimos, para que algo aconteça na nossa vida é preciso agir. Não adianta querer algo e não fazer nada para conquistar. Não adianta sonhar, mas lá no fundinho achar que aquele sonho não é para você. Não adianta acreditar na lei da atração e achar que você vai mentalizar sua nova vida sentado no seu sofá e as coisas vão acontecer. Não, não vão.

São as nossas crenças sobre quem somos que muitas vezes nos impedem de agir. Se você acredita que a sua natureza é ser gordinha ou que você tem ossos pesados, você nunca vai ser uma atleta. Se você acredita que porque você nasceu pobre esse é o seu destino, você nunca vai ser rico. Se você acha que viajar pelo mundo seria maravilhoso, mas que você não é corajoso o bastante, você nunca vai viajar. Parece simplista, mas é a pura verdade.

Nós somos os responsáveis por escolher quem vamos ser, conhecer a si próprio é um grande passo para a transformação.

Nada na vida vem fácil e temos inúmeros fatores externos para atrapalhar a conquista dos nossos objetivos. Mas quando eles viram uma decisão, nada vai impedir você de realizar. Nada!

A economia do país pode ir para o ralo, você pode levar um fora, ficar desempregado, mas se você decidir de verdade que vai ser diferente, você vai encontrar um jeito de fazer isso acontecer, eu garanto!

O que aconteceu no ano que está terminando foi real, existiu, mas ficará no passado. Tudo o que fizemos ou deixamos de fazer ficará para trás, assim como todas as lembranças, boas ou amargas. Tudo será passado, tendo ou não deixado marcas e sequelas.

O passado é, então, irreversível. Não volta, não muda, não há como recuar. A palavra proferida, nossas atitudes e ações, tudo que vivemos de bem ou mal permanecerão imutáveis. Nenhuma influência será capaz de reverter e transformar o que ficou para trás. Por isso, é também indestrutível. Não se apaga, nem se desfaz. Não podemos corrigi-lo ou refazê-lo. Ele permanecerá firme e inalterável.

Mas o passado é também o nosso patrimônio. É o que acumulamos, a riqueza que adquirimos. Aquilo que construímos que foi bom. É possível que no ano que passou, tenhamos acumulado muitas coisas ruins, perdas e experiências negativas, e com isso, sentimo-nos empobrecidos e até mesmo punidos. Então, nesse balanço geral, devemos lembrar de que, sendo o passado o nosso patrimônio pessoal, cada um de nós tem a oportunidade de rever, reavaliar o que construiu e de começar diferente!

Planeje, coloque metas, trace objetivos e vá em frente! Não seja tão rigoroso consigo mesmo. Cada escolha efetivada é sempre resultado das nossas próprias condições existenciais do momento.

Faça uma lista das coisas boas que aconteceram durante o ano, e surpreenda-se. Avalie seu desempenho, seu progresso, como o alcançou, e conceba quão mais longe ainda pode chegar.

Pense em todas as coisas que aprendeu e idealize o que pode fazer com todo esse conhecimento, reflita sobre seus erros, e veja se não exigiu de si além do necessário.

Não crie metas irreais para si, nem estabeleça prazos e datas impossíveis de serem alcançadas.

Não é possível mudar o passado, mas podemos mudar o rumo de nossas atitudes e ações. Podemos reconstruir a partir de onde estamos

 Essa é a época, aproveite a ocasião. Encare o novo ano como uma estrada, e caminhe. Um passo de cada vez, decidido e firme. Esse é o segredo.

O ano com certeza será novo, mas se a vida vai ser nova, é você quem vai decidir.

Desejo a todos um excelente 2019, aproveito para agradecer a equipe do São Carlos Agora, pelo espaço concedido e pela oportunidade em levar a psicologia para milhares de leitores, os quais também agradeço profundamente pelo carinho!

Obrigada e que venha 2019!

(*) A autora é graduada em Psicologia pela Universidade Paulista. CRP:06/113629, especialista em Psicologia Clínica Psicanalítica pela Universidade Salesianos de São Paulo e Psicanalista. Atua como psicóloga clínica.

Esta coluna é uma peça de opinião e não necessariamente reflete a opinião do São Carlos Agora sobre o assunto.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias