Menu
domingo, 21 de outubro de 2018
Cidade

Saúde faz alerta sobre a Hepatite

28 Jul 2014 - 21h36
0 - 0 -

Em comemoração ao dia mundial contra a hepatite, celebrado no dia 28 de julho, a Secretaria Municipal de Saúde, através do programa DST/Aids, faz uma alerta sobre sintomas e cuidados da doença. Atualmente, 50 pessoas portadoras de hepatites B e C, estão em tratamento na cidade.

Considerada um problema de saúde pública, a hepatite é uma inflamação do fígado, que pode ser causada por vírus, uso de remédios, álcool, droga ou doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. Geralmente são doenças silenciosas, mas quando aparecem, os sintomas são de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjôo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

As hepatites virais mais comuns no Brasil são causadas pelos vírus A, B e C e, em São Carlos, aproximadamente 50 pacientes portadores da doença, estão em tratamento no Centro Municipal de Especialidades Médicas. A coordenadora do programa DST/Aids, Isabella Gerin de Oliveira, faz um alerta. “Quando não detectada e tratada, o paciente com hepatite corre risco de ter problemas graves como cirrose e câncer, por isso é importante que mantenha os exames de que detectam a doença em dia”.

O exame pode ser feito em qualquer unidade de saúde, através de testes rápidos ou coleta de sangue. Devem realizar o procedimento, as pessoas que ficaram expostas a seguintes situações:

- Contágio fecal-oral: atribuídos por condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos (vírus A e E);

- Transmissão sanguínea: pratica sexo desprotegido, compartilhamento de seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam (vírus B, C e D);

- Transmissão sanguínea: da mãe para o filho durante a gravidez, parto e amamentação (vírus B, C)

Atualmente, existem vacinas para a prevenção das hepatites A e B, que também são oferecidas pelo Ministério da Saúde nos postos de saúde ou através da Vigilância Epidemiológica por meio dos Centros de Referência Imunobiológicos Especiais (CRIE). Não existe vacina contra a hepatite C, o que reforça a necessidade de um controle adequado da cadeia de transmissão, bem como entre grupos vulneráveis, por meio de prevenção.

Vacina contra a hepatite A

A vacina contra a hepatite A, ainda não faz parte do calendário nacional de vacinação. O encaminhamento quando necessário é feito por indicação médica.

Vacina contra a hepatite B

A vacina contra a hepatite B faz parte do calendário de vacinação da criança, do adolescente e do adulto e está disponível nas salas de vacina do Sistema Único de Saúde (SUS), que ampliou a oferta da vacina para a faixa etária de 30 a 49 anos.

Além disso, todo recém-nascido deve receber a primeira dose logo após o nascimento, preferencialmente nas primeiras 12 horas de vida. A oferta dessa vacina estende-se, também, aos grupos em situações de maior vulnerabilidade, independentemente a faixa etária.

comments powered by Disqus

Leia Também

Últimas Notícias