Qui, 21 de Setembro de 2017
Tamanho da Letra: mais menos
17/05/2017 - 10h21   |   Atualizado em 17/05/2017 - 11h08
Marcos Escrivani

Gol quadrado, um caso de amor à primeira vista

Rebaixado, turbinado, modificado, mas mantendo a característica original. Pode ser de 1982 ou até mesmo do último ano de fabricação, 1995. Pode ser ainda um Gol, Voyage, Saveiro, Passat ou Paraty. Pode ser ainda para uso pessoal, ou apenas para deixar na garagem e sair para um passeio aos finais de semana ou para um encontro. Pode ser o primeiro dono ou conquistado com o suor do trabalho. Pode também pertencer a um jovem de 18 anos ou ao um senhor de 50.

O importante é ter paixão por ele. Ser uma relíquia ou ainda, por incrível que possa parecer, um integrante (importante) da família. Só não pode som alto, algazarras, bagunça ou uma atitude que não condiz com um comportamento aceitável na sociedade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quem são eles? São os integrantes do Clube do Gol Quadrado, que existe há dois anos em São Carlos. São trabalhadores dos mais diversos segmentos do mercado, pais de famílias e jovens que aprenderam a cultuar uma marca automobilística que marca época no Brasil.

No primeiro domingo de cada mês, eles se reúnem no Posto Graal (rodovia Washington Luís - SP-310), sempre das 9h às 12h, realizam campanhas solidárias e procuram a cada encontro, conversar e falar sobre as novidades que surgem a respeito da marca.

A união entre os integrantes do grupo impressiona. O São Carlos Agora se interessou por uma reportagem. Afinal, cada

 integrante tem sua história de amor com o seu quadrado. Um dos responsáveis, Evandro Langhi, 28 anos e operador de manufatura na Electrolux do Brasil fez uma convocação via Facebook anunciando a reportagem. Na tarde de sábado, 13, na praça em frente ao estádio municipal Professor Luís Augusto de Oliveira, mais de 30 integrantes compareceram com sua relíquia e prestigiaram a matéria e o encontro fora de hora. "Não fui o idealizador. Mas sou um dos principais organizadores", disse Evandro. "Cuido da divulgação, da organização durante o evento e do grupo no WhatsApp para que continue com a mesma meta e respeito", emendou.

O dentista Armando Pisani Neto, 38 anos, foi um dos fundadores do grupo em São Carlos. "É um hobby, daqueles que gostam da marca e cada um tem sua história. São carros que tem manutenção barata, um motor generoso e uma mecânica fácil", disse.

Por outro lado Evandro informou que os encontros mensais são gratificantes. "No último, reunimos 70 carros em um encontro beneficente. São famílias, trabalhadores, que se reúnem para ter uma opção a mais de lazer. A gente troca idéias e exibe projetos de restauração. Um bate papo gostoso. Sem bagunças e sem maus exemplos", garantiu.

ABERTO A COMUNIDADE

Quem quiser participar do Grupo do Gol Quadrado é só entrar em contato com os organizadores na página no Facebook (https://www.facebook.com/search/top/?q=clube%20do%20gol%20quadrado%20s%C3%A3o%20carlos%20sp%20) e entrar em contato.

A finalidade do grupo é fazer e reunir amigos. Falar sobre os carros e confraternizar famílias. "É uma opção no final de semana. Uma referência onde vários veículos estarão expostos. Todos podem participar e prestigiar", disse Armando.

RELÍQUIAS, PAIXÃO, AMOR...

Ter um veículo quadrado, para Evandro é fácil definir. "É paixão, é amor". Tem até um Gol BX a ar 83 cujo proprietário irá colocar placa preta (de colecionador). "É uma paixão inexplicável. Eles passam a fazer parte da família", disse, salientando que a maioria dos integrantes do grupo não vende seus carros.

"É amor a primeira vista. Uns usam no dia a dia, como meio de trabalho e transporte, mas outros têm porque amam. É o primeiro veículo família. Um carro para curtir e sair aos finais de semana. Um artigo que fica para coleção", completa Armando.

BENEFICENTE

O Grupo do Gol Quadrado teve origem em São Paulo e a unidade são-carlense foi formada obedecendo as determinações dos criadores. Mas para isso tem, necessariamente, que ter fins beneficentes.

"Já fizemos dois e arrecadamos fraldas geriátricas que foram doadas para a família carente de um senhor que necessitava de ajuda e outra ação social onde arrecadamos alimentos não perecíveis e foi doado ao Cantinho Fraterno Dona Maria Jacintha", disse Armando.

"Mas estamos sempre aberto às campanhas solidárias e a meta agora é fazer uma ação voltada para o Natal. Estamos ainda estudando o que iremos fazer, mas o Grupo do Gol Quadrado estará sempre preocupado em ajudar as pessoas naquilo em que estiver no nosso alcance", finalizou.

CASOS DE AMOR

Vários integrantes do grupo do Gol Quadrado através de textos, procurou mostrar o caso de amor de cada um, abaixo transcritos pelo São Carlos Agora:

Vinicius Sudan, 21 anos, office boy

A paixão por "quadrados" começou ainda criança, por conviver e crescer no meio deles. Com 18 anos ganhei uma Saveiro Sunset do meu avô. Depois de alguns meses sofri um gravíssimo acidente onde quase morri. A saveiro deu perca total. Após minha longe e difícil recuperação comprei outra igual a que eu tinha ganhado de presente. A paixão só aumentou.

Jhonatas Barbosa, 27 anos, vendedor

Minha história com esse carro é que eu gostaria de montar um projeto diferenciado. Quando comprei o Gol fui montando ele do zero. Peguei apenas com boa pintura. Veio então a vontade de um projeto de garagem, no qual eu mesmo faço a tapeçaria e mecânica.

Alex Willian Barbosa, 30 anos, gerente comercial

Sempre fui apaixonado por Gol quadrado, desde a infância. O Gol foi meu segundo carro e estou com ele desde janeiro de 2008. Eu e ele temos muitas histórias juntos, foi meu parceiro de todas as horas, seja para o trabalho ou para passeio. Faço parte dessa família desde 2009 da minha cidade Araras e sempre buscando melhorar meu carro com a ajuda dos amigos de clube.

Ricardo Eugênio, 45 anos, caminhoneiro

Aqui em casa somos loucos por quadrados e foi assim meio na loucura que meu quadrado veio para minha casa. Minha esposa deu o carro dela, um Classic ano 2013 em troca do meu bebê quadrado. Além disso ela ainda me acompanha nos encontros, passeios e lojas de peças e acessórios. Estamos muito felizes, pois além de ganhar um quadrado que era um sonho, ainda ganhei uma nova família com o Clube do Gol Quadrado.

Denilson Trevelin, 41 anos, vidraceiro

Comprei meu Gol GTS em 1999. Foi um sonho desde criança. Na época era um modelo muito caro mais consegui comprar com muito sacrifício. Usei ele por 10 anos e em 2014 passou por uma restauração. A partir daí só uso para sair aos finais de semana e ir nos encontros do clube passear e rever os amigos.

Leandro de Araújo, 27 anos, motorista

Sou proprietário de um Voyage LS ano 1983. Em 2007 o pai de um amigo que mexia com rolos de carros apareceu com essa relíquia, e por ser todo original e bom de lataria, me fez querer adquirir. E então são 10 anos com ele, modificando e deixando do meu gosto

Leonardo Matheus de Oliveira Morais, 22 anos, operador de máquinas

Minha história com quadrados vem desde pequeno. Meu tio sempre teve, então já cresci admirando e sonhando em um dia ter o meu. A pouco mais de um ano consegui, e por coincidência, comprei do meu tio.

Tiago de Moraes, 32 anos, instrutor de trânsito

Quando tinha uns 15 anos, já ajudava meu pai nos trabalhos, e ele vendo isso me prometeu que quando eu fizesse 18 anos iria me dar um carro. Eu já sabia qual iria querer ganhar. Um Gol quadrado e ele concordou.  Infelizmente ao completar a maioridade meu pai caiu no mundo e eu fiquei cuidando da minha mãe. Morei sozinho, ralei muito e depois de 12 anos consegui comprar meu primeiro carro que é o quadrado que tenho até hoje. Gostaria que meu pai visse que consegui conquistar esse sonho, Meu quadrado também é a lembrança do meu pai.

João Vitor Oliveira, 26 anos, responsável por almoxarife

O Gol quadrado é um sonho que eu sempre tive e lutei muito para realizar. Após conseguir conquistar o meu sonho, não imaginaria que ele fosse tirado de mim (roubado). Graças a Deus foi recuperado no mesmo dia e sem desanimar e com toda força de vontade consegui deixar melhor do que eu imaginava. Hoje sou mais um apaixonado por Gol quadrado.

Evandro Langhi, 28 anos, operador multifuncional

Minha paixão começou quando eu adquiri meu primeiro Gol quadrado ano 94 já aos 26 anos. Eu sabia que o gol era um carro muito querido pelos donos e entusiastas mas eu não entendia o porque, até eu ser dono de um. Hoje estou no meu segundo Gol quadrado e entendo perfeitamente o que todos me diziam, é um estilo de vida. Carro confiável, mecânica altamente explorada em termos de preparação e de fácil e acessível manutenção. Gol quadrado se tornou minha paixão.

Guilherme Campos, 25 anos, balconista auto peças

Desde criança, minha adoração por carros já existia. Pelo fato de sempre estar no meio, pois meu pai e meu tio tinham oficinas mecânicas, eu estava ali no meio dos carros. Aos 21 anos eu adquiri o meu primeiro quadrado, um Passat GTS Pointer 1988, que está comigo até hoje. A paixão pelos VW não é modinha. Ter um quadrado é se encarregar de manter vivo a história automobilística.

comments powered by Disqus