08/05/2017 - 13h32   |   Atualizado em 08/05/2017 - 13h34

Redação

Serasa realiza maratona tecnológica com 200 universitários em São Carlos

A Serasa Experian realizou no último final de semana a maratona tecnológica Experience Jam III em São Carlos. 200 universitários da USP, da UFSCar, da Fatec e outras universidades ficaram, entre a manhã do último sábado, 6, e a tarde de domingo, 7, 'trancados' e mergulhados no Centro de Excelência do Serasa em busca desenvolver novas tecnologias.

O Hackathon - maratona de programação de hackers -, nome no qual a competição é conhecida no mundo - teve os temas sugeridos pela própria Serasa Experian, entre eles "Autenticação: como garantir a identidade de uma pessoa ao se identificar em um sistema?", "Internet das Coisas: como será o futuro a nossa volta?", dentre outros. A empresa patrocinadora disponibilizou café da manhã, almoço, janta, entretenimento e espaço de cochilo. No entanto, os partícipes não tiveram hora para dormir nem para acordar visto que cada equipe, dependendo do que apresentasse no projeto final, poderia ganhar R$ 10 mil para cada um dos quatro desafios- de um total de R $ 40 mil- e ainda os integrantes terem a possibilidade de terminarem a competição empregados.

Venceram os tão sonhados prêmios as equipes 16, 22, 26 e 31. O grupo de Eduardo Dotto Marucci-equipe 16- criou um aplicativo revolucionário que dá oportunidade ao internauta fazer compras pela internet através de comandos de vós. "Tem utilidade muito grande, principalmente para os deficientes visuais, já que eles não conseguem comprar pelo e-commerce", disse Marucci, ressaltando que o prêmio é um incentivo para o grupo continuar trabalhando com inovação.

A equipe 31, de Raquel de Oliveira Faria, criou o "Ser Positivo", aplicativo permite por meio do Facebook oferecer decisão de crédito, ação que abrange tanto a pequena e grande empresa, de maneira simples sem a necessidade de uma analista de crédito. "Foi meu primeiro  Hackathon e valeu muito apena", disse.

Os trabalhos surpreenderam a Serasa tendo em vista que o nível técnico das equipes foram os melhores dos dois Experience Jam realizados. "Tivemos empresas profissionais competindo, equipes com mestrandos e doutorandos, pessoas boas com técnica, que conhece tecnologia, métodos científicos trabalhando pelo desafio", disse Marcelo Pimenta, diretor do laboratório de inovação (DataLab) da Serasa Experian.

Pimenta reafirmou que a empresa se interessou por alguns projetos. "Nós pudemos tirar várias ideias daqui, infelizmente tivemos que dar quatro prêmios, um por desafio, mas eu garanto pela conta que fizemos nós temos 12 protótipos que foram muito bem construídos e que de alguma forma vamos poder aproveitar, seja incentivando a equipe pela continuidade do desenvolvimento, seja trazendo para trabalhar conosco para finalizar a aplicação", acrescentou.

O secretário municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia, professor da USP José Galizia Tundisi, fez parte da banca examinadora da maratona e disse que o evento é importante, uma vez que estimula equipes trabalharem de forma integrada, buscando soluções rápidas, apresentando protótipos, prazos e escalas de trabalho. "Uma das finalidades da secretaria é justamente estimular o desenvolvimento dos universitários. Integrar ciência e tecnologia no dia a dia, e esse evento é um exemplo muito claro dessa integração", ressaltou.

O gostinho de quero mas não termina por aí. Como o município é um terreno fértil de pesquisa e inovação por causa das duas universidades públicas, a Serasa Experian admitiu que a realização da competição em São Carlos foi maior do que o estimado e a Folha São Carlos e Região ficou sabendo de antemão que a empresa está animada para realizar o maior o Hackathon do Brasil dentre de alguns meses na cidade. (Abner Amiel/Folha São Carlos e Região)